Divulgação/FilmDistrict

Juiz confirma que Johnny Depp é “espancador de esposa”

Johnny Depp perdeu seu processo por difamação contra o tabloide britânico The Sun, que o chamou de “espancador de esposa”. O veredito do caso, que mobilizou a imprensa mundial em julho passado, foi proferido por um juiz da Suprema Corte de Londres nesta segunda-feira (2/11).

Em sua decisão, o juiz Andrew Nicol afirmou ter aceitado as alegações da ex-mulher do ator, a atriz Amber Heard, de que ele a havia agredido violentamente durante seu tempestuoso relacionamento de cinco anos. No julgamento, Heard testemunhou que chegou a temer por sua vida, e Depp acabou confessando ter lhe dado uma cabeçada. Isto aconteceu depois que a advogada do tabloide revelou o áudio de uma discussão em que Depp diz: “Eu te dei uma cabeçada na p*** da sua testa. Isso não quebra um nariz”.

“Eu percebi que a grande maioria dos alegados ataques à Sra. Heard pelo Sr. Depp foram comprovados de acordo com o padrão civil”, disse Nicol. “O reclamante não obteve sucesso na ação por difamação.”

Os advogados de Depp descreveram a decisão como “perversa e desconcertante” e disseram que seria ridículo o ator não apelar.

Foi o próprio Depp quem colocou sua carreira em risco ao decidir processar o jornal inglês, com base na declaração de que ele tinha agredido Heard enquanto eram casados. Durante o julgamento, alguns dos momentos mais sombrios de seu casamento de curta duração foram trazidos à tona diante do tribunal – e do mundo.

Ambos estiveram presentes em todos os dias do processo, já que Heard apresentou 14 denúncias de abusos contra Depp, que formaram a espinha dorsal da defesa da empresa News Group Newspapers para provar sua alegação. Várias fotos comprometedoras, de residências destruídas após a fúria do astro e do próprio ator mergulhado no torpor de drogas vieram à público durante o julgamento.

Depp, por sua vez, tentou desmontar a acusação de agressão, incluindo o recurso a depoimentos de sua ex-namorada Winona Ryder e sua ex-mulher Vanessa Paradis.

Após ouvir todas as testemunhas e depoimentos, Nicol decidiu que as alegações de agressão, publicadas pelo jornal, eram “substancialmente verdadeiras”.

O que mais pesou em sua decisão foi o testemunho de Heard e as fotos que apresentou. Ela disse que Depp se transformava em um alter ego ciumento, “o monstro”, depois de consumir drogas e álcool, e neste estado ameaçou matá-la com frequência. Ela detalhou surtos de violência extrema em que o ator a teria estrangulado, esmurrado, estapeado, chutado, lhe dado uma cabeçada e lhe atirado objetos.

Nicol disse que aceitou 12 dos 14 relatos da atriz como verdadeiros, incluindo a agressão que ela sofreu em sua festa de 30 anos e um outro incidente que a deixou com os olhos roxos. Ele também validou a descrição de Heard de um período de três dias de tortura, com “ataques contínuos e múltiplos”, enquanto eles estavam na Austrália.

A decisão abre caminho para o jornal The Sun processar o ator e favorece o caso de Amber Heard contra ele nos EUA. Depp também também está processando Heard por US$ 50 milhões no estado americano da Virgínia devido a uma coluna assinada pela atriz no jornal Washington Post, na qual ela escreveu sobre violência doméstica. A atriz, por sua vez, processou Depp de volta por US$ 100 milhões por campanha de difamação, ao judicializar seu casamento e trazer prejuízos a sua imagem e carreira.

Depp e Heard se conheceram no set do filme “Diário de um Jornalista Bêbado” (2011) e começaram a morar juntos em 2012, antes de se casarem em Los Angeles em fevereiro de 2015. Eles se separaram em 2016 e Heard doou tudo o que recebeu no acordo do divórcio a instituições beneficentes.

Mas a separação não encerrou o caso, porque Depp não aceita qualquer insinuação de que tenha sido violento, apesar da atriz ter aparecido com olho roxo e sofrer uma crise de choro, sem conseguir depor, durante o processo de divórcio. Os processos, porém, não ajudaram sua causa e agora o ator é oficialmente um “espancador de esposa”, assim declarado por um tribunal do Reino Unido.

A Warner Bros., que produz as franquias “Aquaman”, estrelada por Heard, e “Animais Fantásticos”, estrelada por Depp, não quis se manifestar diante de pedidos da imprensa por declarações nesta segunda.