Divulgação/Warner

Johnny Depp tentou fazer Amber Heard ser demitida de Aquaman

A ideia de Johnny Depp ao processar o jornal The Sun por difamação, após um artigo de abril de 2018 em que foi chamado de “espancador de esposa”, pode ter sido defender sua carreira, mas muitos se perguntam se ele ainda terá carreira depois das revelações feitas no tribunal de Londres em que corre a ação.

Confrontado pela advogada do jornal, Sasha Wass, os depoimentos de Depp no caso, ao longo da semana passada, transformaram-se em matéria-prima de notícias pouco lisonjeiras sobre o ator. Wass tem conseguido pintar Depp não apenas como um “espancador de esposa”, mas quase como um psicopata.

Depois de arrancar a admissão de uma cabeçada “involuntária” na ex-mulher, Amber Heard, e apresentar fotos da destruição causada pela ira do ator em sua casa e no rosto machucado da atriz, a advogada trouxe à tona mais detalhes sobre a raiva incontida do ex-“Piratas do Caribe”.

Ameaças à amigos de Heard e controle de papéis e roupas que ela poderia usar foram os primeiros detalhes apresentados na quinta-feira (10/3) na corte. E na sexta, Wass conseguir fazer Depp confessar ter pressionado a Warner a demitir a atriz da franquia “Aquaman”, após os dois se separarem.

A defesa do jornal apurou que ele mandou uma mensagem para sua assistente em 4 de junho de 2016, depois que se separou, dizendo: “Quero que ela seja substituída no filme da WB [Warner Bros]”.

Diante da revelação, Depp negou ter orquestrado uma petição que reuniu 400 mil assinaturas online para removê-la da franquia. Mas confirmou: “Eu estava me sentindo bastante amargo. Eu disse que queria que ela fosse substituída na sequência de ‘Aquaman'”.

Na verdade, na data apontada, Heard tinha vivido a personagem Mera em “Liga da Justiça”, mas ainda não havia iniciado as filmagens de “Aquaman”, que só começaram um ano depois. O longa virou um grande blockbuster ao chegar aos cinemas em 2018. Ela também estará na sequência do filme, que ainda não tem previsão para ser produzida.

Depp apresentou sua justificativa para a tentativa de sabotagem. “Eu fui caracterizado globalmente, como o Sun colocou, como um ‘espancador de esposa’. Eu fui de Cinderela a Quasimodo em 0,6 segundos e eu estava sem voz naquele momento”, afirmou, segundo o relato do Sun, que faz cobertura privilegiada do caso como parte do processo.

Ele também foi acusado de tentar controlar os filmes que Heard fazia enquanto foi casada com ele, a ponto de a atriz precisar esconder se a produção incluía alguma cena de nudez. O ator disse ao juiz que ficava “desconfortável com a ideia dela fazer nudez” e argumentou que “ela não precisava ficar nua em filmes”.

Mas ele também não a queria vestindo roupas sensuais nos tapetes vermelhos, disse a advogada do jornal.

Embora admitisse sentir ciúmes, Depp afirmou que estava apenas cuidando da reputação profissional da atriz e negou que tentasse controlar sua imagem.

“A Srta. Heard estava desconfortável em ser vista como um objeto sexual, esperava fazer filmes melhores, por isso não queria ser objetificada e não queria mais fazer cenas de nudez”, disse Depp ao tribunal. “Eu nunca diria a ela o que vestir, mas certamente faria menção se achasse que ela estava se vestindo de forma completamente contrária ao que me dizia desejar, porque achava não ser muito útil para o objetivo dela, em termos de ser levada a sério como atriz”.

Além desse controle exercido sobre papéis e aparência, a advogada buscou demonstrar que Depp também tentou cercar Heard em sua vida pessoal.

Ela mostrou uma mensagem de texto escrita por Depp em que ele chama a ex-mulher de uma série de nomes extremamente depreciativos, os quais não se deve publicar, e com ameaças ao bilionário Elon Musk, dono da fábrica de carros Tesla e da empresa espacial privada SpaceX, de quem Heard era próxima – os dois acabaram namorando após o divórcio.

Um trecho diz: “Vamos ver se Mollusk [um trocadilho com a palavra molusco] tem um par de c****** para me encontrar cara a cara. Vou mostrar a ele coisas que ele nunca viu antes, como o outro lado de seu p** quando eu cortá-lo.”

Também foi apresentada como evidência uma gravação de tortura psicológica, em que Depp provoca Heard para cortá-lo com uma faca, porque se não fizesse isso ele se cortaria diante dela. “Me corte, me corte, se não, eu mesmo vou”, diz sua voz no registro de julho de 2016, um mês antes do divórcio, enquanto a atriz implora para ele largar a faca. Segundo a advogada, ele segurava a faca no momento da gravação.

A corte britânica também ouviu que Depp jogou uma garrafa de champanhe na atriz no dia em que ela completou 30 anos. Como presente, ela ainda teve os cabelos puxados e foi jogada na cama, para depois encontrar uma bilhete dizendo “Feliz p**** de aniversário”.

Em sua defesa, Depp revelou que pode ter usado drogas naquele dia, mas negou ser violento, embora a advogada tenha apresentado fotos da destruição causada na casa em que ele morava com a atriz. No dia seguinte, ele encontrou um cocô em sua cama. Ele disse que foi isso que o fez considerar o fim do casamento.

Em sua primeira semana, a corte britânica ouviu o testemunho de Depp, autor do processo. A partir de segunda (13/7), será a vez da defesa apresentar suas testemunhas, entre elas Amber Heard.