Versão live-action de Akira volta a cair no limbo

A adaptação dos quadrinhos de “Akira” voltou a cair no limbo. A Warner divulgou seu calendário de futuros lançamentos sem a presença da produção, que teria sido – novamente – adiada.

O novo adiamento foi ocasionado pelo diretor Taika Waititi, que pediu tempo para concluir as filmagens de “Thor: Love and Thunder”. Em entrevista de outubro, Waititi confirmou que a produção da Warner seria seu próximo trabalho após o longa da Marvel e explicou que, por isso, as filmagens precisariam ser adiadas.

“Infelizmente, tudo aconteceu pelo timing envolvendo ‘Akira’. Nós estávamos trabalhando duro no roteiro, e a data para o início das filmagens precisou ser adiada várias vezes. Chegou um momento que colidiu com a produção de ‘Thor 4’. Ficaram muito próximas. Não seria possível fazer daquele jeito, e eu já estava comprometido com a Marvel naquela altura. Então, a melhor decisão foi adiar a estreia de ‘Akira’, pois vamos começar após ‘Thor 4’ ser concluído”, explicou.

Assim, a data reservada para o lançamento de “Akira”, 21 de maio de 2021, vai agora abrigar outra produção da Warner, “Matrix 4” – que terá o retorno de Keanu Reeves e Carrie-Anne Moss aos papéis de Neo e Trinity.

O projeto de “Akira” está em desenvolvimento há 17 anos na Warner, e é curioso que o estúdio insista em sua produção num momento em que aumenta a pressão para que filmes sobre personagens japoneses sejam estrelados por atores asiáticos, e após adaptações americanas recentes de mangás terem dado enormes prejuízos – de “Ghost in the Shell” em 2017 a “Alita: Anjo de Combate” no começo do ano.

Até o momento, todas as versões do projeto, sugeridas pela Warner, preveem um “Akira” totalmente americanizado, ao mesmo tempo em que preservariam a trama central que opõe Kaneda, o líder de uma gangue de motoqueiros, a seu melhor amigo Tetuso, um jovem poderoso que enlouquece com suas habilidades psíquicas. Tudo isso se passaria após a reconstrução de Nova York, destruída na 3ª Guerra Mundial, e enquanto o governo tenta manter o segredo sobre os poderes incontroláveis de uma criança chamada Akira, com capacidade de desencadear o apocalipse.

A troca da ambientação de Neo-Tóquio para Neo-York foram originalmente, na década passada, justificativa para abrir negociações com nomes do calibre de Leonardo DiCaprio (“O Regresso”) e Joseph Gordon-Lewitt (“A Travessia”) para os papéis principais. DiCaprio está até hoje envolvido no projeto, como produtor.

Entre os diversos atores cotados para os papéis principais, também foram sugeridos Keanu Reeves (de “Matrix”), Garrett Hedlund (“Tron: O Legado”) e até o ex-casal de “Crepúsculo”, Kristen Stewart e Robert Pattinson, além de Gary Oldman (“Planeta dos Macacos: O Confronto”) e Ken Watanabe (“A Origem”) como o Coronel e Helena Bonham Carter (“Os Miseráveis”) para o papel de Lady Miyako.

Nos primórdios do projeto, em 2002, o filme seria dirigido por Stephen Norrington (“A Liga Extraordinária”). Também quase virou dois filmes, cada um condensando três dos seis volumes da obra original, que seriam dirigidos pelos irmãos Allen e Albert Hughes (“O Livro de Eli”). Mas o orçamento de US$ 230 milhões assustou a Warner. A produção foi retomada novamente como um único filme ao custo de US$ 90 milhões, sob o comando do irlandês Ruairí Robinson (“O Planeta Vermelho”), que até divulgou artes conceituais com Joseph Gordon-Levitt no papel do vilão Tetsuo. Finalmente, com orçamento ainda mais enxuto, US$ 65 milhões, chegou perto de sair do papel com direção de Jaume Collet-Serra (“Sem Escalas”).

Embora “Akira” tenha se tornado conhecido devido a seu famoso anime de 1988, que chamou atenção mundial para a animação adulta japonesa, o projeto tem sido apresentado como uma adaptação mais fiel dos mangás de Katsuhiro Otomo, publicados entre 1982 e 1990, cujo final é bastante diferente do filme. Os quadrinhos também são muito mais complexos, motivo pelo qual a Warner realmente chegou a considerar dividir o filme em duas partes.

O roteirista mais recente a tentar simplificar a história foi Marco Ramirez, em seu primeiro trabalho no cinema, após se destacar roteirizando episódios das séries “Sons of Anarchy”, “Orange Is the New Black” e “Da Vinci’s Demons”, além de “Demolidor”, na qual foi promovido a showrunner da 2ª temporada.

Sua versão foi encomendada após o estúdio recusar adaptações escritas por Dante Harper (“No Limite do Amanhã”), Steve Kloves (roteirista de quase todos os filmes da franquia “Harry Potter”, exceto “A Ordem da Fénix”), Mark Fergus e Hawk Ostby (dupla de “Homem de Ferro” e “Filhos da Esperança”).

Taika Waititi disse que estava mexendo na história, portanto um novo roteiro ainda deve estar produção.

Embora não haja a menor previsão para o início das filmagens, os movimentos de bastidores sugerem que elas realmente irão acontecer.