Autor de Quatro Vidas de um Cachorro diz que está recebendo ameaças de morte

 

O escritor W. Bruce Cameron, autor do livro “Quatro Vidas de um Cachorro” e roteirista do filme, revelou que está sendo ameaçado de morte, após o site TMZ divulgar um vídeo polêmico em que um cão parece ser maltratado no set de filmagem.

“Eu e minha família recebemos ameaças de morte”, ele revelou, em entrevista ao site UOL, sem dizer de onde vieram as ameaças.

A situação piorou após o escritor emitir um comunicado, afirmando que Hercules, o cachorro do vídeo, não sofreu maus tratos por parte da equipe. “O cachorro não ficou desesperado e não foi jogado na água. Apesar de não estar lá naquele momento, eu pude ver a gravação completa e Hercules estava executando as acrobacias tranquilamente na piscina horas antes”, ele escreveu.

O vídeo, feito em novembro de 2015 no Canadá e divulgado pelo site TMZ no dia 18 de janeiro, mostra um adestrador aparentemente forçando o pastor alemão a entrar em um tanque com águas turbulentas. Mesmo assustado e se recusando a entrar na água, o cão é colocado pelo homem para dentro do reservatório.

Após o choque inicial, responsáveis pela produção se manifestaram, afirmando que as imagens eram editadas e não condiziam com os fatos, visando apenas criar sensacionalismo. O ator Dennis Quaid foi além e chamou o vídeo de “golpe”. A empresa que forneceu o animal para o filme, Birds & Animal Unlimited, afirmou que irá processar os responsáveis pelo vídeo e usar todas os meios legais para se defender do que chama de “difamação feita pela imprensa”.

Apesar disso, a ONG Peta (People for the Ethical Treatment of Animals), que defende tratamento ético aos animais, declarou guerra ao filme. A entidade preparou um boicote e anunciou que seus ativistas estarão nas portas dos cinemas dos Estados Unidos com o objetivo de constranger quem for assistir ao filme.

Sobre a reação negativa, o escritor disse que tem tirado sua paz e que aprendeu uma lição com a polêmica. “A raiva fora de controle e os pedidos de boicote ao meu trabalho atrapalham meu sono, minha paz, e pior, a minha percepção sobre a humanidade. Eu sou uma pessoa que pode perdoar e acredito que a lição que devo tirar disso é que temos que tomar ainda mais cuidado com tudo o que fazemos. Mesmo sendo chamado de vendido e torturador, eu sigo apoiando o filme a mensagem por trás dele”, desabafou Cameron na entrevista ao UOL.

O filme estreou na quinta (26) no Brasil e chega aos EUA nesta sexta-feira (27/1).

Comente

Pedro Prado é cinéfilo, fã de séries e quadrinhos, fotógrafo amador e bom amigo da vizinhança.

Back to site top
Change privacy settings