Divulgação/Court TV

Johnny Depp vence processo contra Amber Heard

O júri do caso de difamação de Johnny Depp contra Amber Heard decidiu a favor do ator. O veredito considerou que ele foi difamado quando Heard escreveu um artigo no jornal The Washington Post no qual ela se denominava sobrevivente de abuso doméstico.

Heard teve uma perda quase completa no caso, prevalecendo em apenas uma de suas reivindicações no julgamento, que acabou simbolizando as deficiências da cultura do cancelamento deflagradas pelo movimento #MeToo. Heard, que se divorciou de Depp em 2016 depois de obter uma ordem de restrição por violência doméstica, foi arrastada por dois julgamentos em dois continentes para fundamentar as alegações de que Depp abusou dela.

Embora Depp tenha perdido seu processo no Reino Unido, encontrou muito mais simpatia nos EUA. No entanto, o júri também considerou que Depp difamou Heard, por meio de seu advogado, ao lutar contra suas acusações.

Depp pedia US$ 50 milhões em indenização e o júri recomendou uma pena de US$ 15 milhões, mas a juíza Penney Azcarate reduziu o valor, aceitando a indicação de US$ 10 milhões por danos e reduzindo os US$ 5 milhões de caráter punitivo para US$ 350 mil, de acordo com a lei do estado da Virginia, onde o julgamento aconteceu. O total ficou em US$ 10,35 milhões.

O ator também foi condenado a pagar US$ 2 milhões a Heard. Com isso, a pena da atriz ficou em US$ 8,35 milhões.

Mas o valor financeiro é o de menos nesse caso, onde o que realmente estava em jogo era a reputação dos dois atores.

Após a revelação da decisão, Heard e Depp divulgaram comunicados à imprensa.

O ator celebrou o resultado, afirmando que “as falsas alegações de Heard” – feitas pela primeira vez em 2016 – tiveram “um impacto sísmico na minha vida e na minha carreira”.

“E seis anos depois, o júri me deu minha vida de volta”, acrescentou. “Estou verdadeiramente agradecido e sobrecarregado com a manifestação de amor e o colossal apoio e gentileza de todo o mundo”, continuou, afirmando que o veredicto o deixou “em paz”.

“Desde o início, o objetivo de trazer este caso era revelar a verdade, independentemente do resultado. Falar a verdade era algo que eu devia aos meus filhos e a todos aqueles que permaneceram firmes em seu apoio a mim. Sinto-me em paz sabendo que finalmente consegui isso”, concluiu.

Heard, claro, lamentou o veredito.

“O desapontamento que sinto hoje não pode ser expressado”, ela declarou. “Estou com o coração partido ao saber que a montanha de evidências que apresentamos não foi o bastante para encarar o poder e influência desproporcionais do meu ex-marido. Estou ainda mais desapontada com o que esse veredito significa para outras mulheres. É um revés. O relógio andou para trás, para um tempo no qual uma mulher que contava sua história podia ser publicamente envergonhada e humilhada”.

“Violência contra a mulher é um assunto que precisa ser levado a sério. Eu acredito que os advogados de Johnny foram bem-sucedidos em sua missão de fazer o júri ignorar a questão da liberdade de expressão, e as evidências tão conclusivas que nos fizeram vencer o julgamento no Reino Unido. Estou triste por ter perdido esse caso. Estou mais triste por ter perdido um direito que achava ter como americana – o direito de falar livremente e abertamente”, completou.

A atriz estava no tribunal de Fairfax, Virgínia, para ouvir o veredicto, enquanto o ator assistiu do Reino Unido, onde tem aparecido em shows. Um porta-voz de Heard criticou Depp por não comparecer ao tribunal, dizendo “Sua presença mostra onde estão suas prioridades”.

Os jurados – cinco homens e duas mulheres – começaram a deliberar na tarde de sexta-feira. Eles voltaram ao tribunal com um veredicto às 15h desta quarta-feira (1/6), mas foram brevemente enviados de volta à sala do júri porque não haviam preenchido os valores da indenização no formulário de veredito.

Amber Heard deve apelar do resultado. Seus advogados podem discordar de uma série de decisões pré-julgamento, incluindo uma que negou uma moção para retirar o caso da Virgínia.

Todo o julgamento foi transmitido ao vivo pelo canal americano Court TV, disponível pela internet.

Veja abaixo o vídeo da revelação do veredito.