Instagram/Amber Heard

Psicóloga diz que Amber Heard foi estuprada e traumatizada por Johnny Depp

A primeira testemunha da defesa no julgamento por difamação, movido por Johnny Depp contra a ex-mulher, Amber Heard, em Halifax, estado da Virginia, foi uma psicóloga que declarou que a atriz foi estuprada e ficou com transtorno de estresse pós-traumático devido ao abuso sofrido nas mãos do ator.

Dawn Hughes testemunhou que chegou ao diagnóstico depois de examinar Heard por 29 horas e revisar seus registros de terapia, concluindo que Depp a envolveu em um “alto grau de violência”. Hughes relatou ter ouvido de Heard vários casos de violência sexual, que seriam motivadas pelo “ciúme obsessivo” de Depp e pelo desejo de mostrar seu domínio sobre a esposa.

Ela foi chamada pela defesa para refutar o testemunho de Shannon Curry, uma psicóloga convocada pela equipe de Depp na semana passada, que disse ao júri que Heard sofria de transtorno de personalidade limítrofe. Curry examinou Heard por 12 horas em nome de Depp e testemunhou que Heard era propensa a dar declarações “excessivamente dramáticas” e estava “cheio de raiva”.

Hughes disse que discordava do diagnóstico de Curry. Ela disse que, em seu exame, os sintomas de Heard eram consistentes com uma vítima de violência por um parceiro íntimo. Hughes também observou que Heard havia sofrido abuso dos pais quando criança e carregava algumas dessas dinâmicas em seu relacionamento com Depp.

“Ela também acreditava que poderia consertá-lo, assim como tentou consertar seu pai”, disse Hughes. “Ela realmente acreditava que poderia consertar o Sr. Depp e livrá-lo de seus problemas de abuso de substâncias, mas isso não funcionou.”

Hughes também testemunhou que Depp exercia “controle coercitivo” sobre Heard e estava focado em controlar sua carreira. Junto com a palavra “prostituta” e linguagem sobre a anatomia da esposa, o ator adorava chamá-la de “ambiciosa”, como se fosse um termo “depreciativo” para a carreira da atriz.

A psicóloga também contestou a avaliação de uma terapeuta de casais, Laurel Anderson, que disse em nome da acusação que Depp e Heard se envolveram em “abuso mútuo”. Hughes argumentou que, embora ambas as partes possam se envolver em abuso verbal ou físico, também é importante observar o equilíbrio de poder no relacionamento.

“Você precisa examinar o contexto”, disse Hughes. “Você tem que examinar o diferencial de poder e controle – e controle coercitivo – no relacionamento para fazer uma determinação completa.”

O aspecto mais polêmico em seu depoimento foram descrições dos estupros praticados contra a atriz.

“Quando o Sr. Depp estava bêbado ou drogado, ele a jogava na cama, arrancava sua camisola e tentava fazer sexo com ela”, testemunhou Hughes.

“Houve momentos em que ele a forçou a fazer sexo oral quando ele estava com raiva – esses não eram momentos amorosos, eram momentos de raiva”, continuou.

Hughes também fez referência a incidentes em que Depp supostamente penetrou em Heard com os dedos e, em uma ocasião, com uma garrafa.

Em seu depoimento, a psicóloga apontou que este suposto ataque em particular aconteceu enquanto o casal estava na Austrália para as filmagens do quinto “Piratas do Caribe”. Depp, gritando “eu vou te matar”, colocou uma garrafa dentro do corpo de Heard, e a atriz lhe contou que, naquele momento da suposta agressão, tudo o que ela conseguia pensar era que esperava que a garrafa que a estava penetrando “não fosse a quebrada”.

“Esses incidentes geralmente aconteciam em uma fúria alimentada por drogas”, completou a psicóloga.

Muitas vezes contestada pela equipe de Depp, Hughes esclareceu ao tribunal que realizou uma avaliação independente e forense de Heard. E que ela “nunca foi cliente” de sua clínica, ao contrário de muitas testemunhas trazidas ao tribunal pela acusação, a maioria composta de funcionários de Depp.

Espera-se que Heard dê um relato mais completo dos supostos abusos quando for testemunhar nesta quarta-feira (4/5).