Divulgação/Globo

Globo cortou fala importante de Jessi no “BBB Dia 101”

Um vídeo que começou a circular nesta sexta-feira (29/4) nas redes sociais revelou que a Globo cortou uma fala incisiva de Jessilane Alves no especial de reencontro do “BBB 22”, batizado de “BBB Dia 101”.

Durante o programa, Tadeu Schmidt sorteou os nomes de alguns participantes da temporada para perguntar sobre alguns tópicos polêmicos. E Jessi ficou com a pergunta sobre quem não merecia chegar até onde chegou.

A edição do programa exibida na noite de quinta deu a entender que Jessi estava criticando o vencedor do “BBB 22”, Arthur Aguiar. Entretanto, o verdadeiro alvo de seu discurso era o machismo e o racismo estrutural da sociedade brasileira.

Na versão que foi ao ar, Jessi disse: “O Arthur várias vezes levantou bandeiras sobre ele ir várias vezes pro paredão, o DG [Douglas Silva] foi oito vezes pro paredão, conseguiu chegar na final e ainda assim não foi campeão. É uma história que eu acho muito mais relevante, muito mais participativa do que a do Arthur”, alfinetou a professora.

“Mas a torcida dele [do Arthur] era muito forte e acabou eliminando pessoas que eram muito fortes também, como Lina [Linn da Quebrada], como Gustavo, como eu, como [Pedro] Scooby”, finalizou Jessi.

Já na cena completa, a professora utiliza sua reclamação da vitória de Arthur Aguiar para traçar um quadro mais amplo de critica do universo de eleitores do programa – que se confunde com a sociedade brasileira.

“Não vale a pena ficar reforçando isso, todo mundo já sabe o que aconteceu, mas é isso: acho que outras pessoas mereciam chegar até a final, não da forma que aconteceu. Por exemplo, seis homens em uma final, acho que foi uma situação que nunca tinha acontecido na história do ‘BBB’. Isso reflete a sociedade que a gente está inserido”, disse a bióloga em parte do trecho cortado.

“Chegar em uma final com seis homens e não ter a presença de nenhuma mulher… E chegar em uma final com dois homens pretos e um branco, e esta pessoa ganhar… São muitos contextos que me fazem pensar que outra pessoa merecia ganhar e não ele”, completou.

A princípio, o corte pode ser encarado como uma opção editorial em prol da agilização do programa. Entretanto, o conteúdo cortado foi uma manifestação ideológica, que os produtores optaram por silenciar e, portanto, impedir que gerasse discussões e repercussão. Isto pode ser encarado como censura.

A produção do “Big Brother Brasil” não se manifestou sobre a decisão de cortar a declaração.

Compare abaixo as duas versões.