Divulgação/Paris Filmes

Estreia de “Turma da Mônica: Lições” é maior lançamento nacional da pandemia

Em meio à disputa por espaço entre “Homem-Aranha: Sem Volta para Casa” e “Matrix Resurrection”, os cinemas recebem a maior estreia brasileira de 2021. “Turma da Mônica: Lições” chega em 920 salas nesta quinta (30/12), praticamente o mesmo circuito do novo “Matrix”, num lançamento bem mais amplo que o filme anterior da franquia.

 

 

TURMA DA MÔNICA: LIÇÕES

 

Várias vezes adiada devido a pandemia, a adaptação dos quadrinhos de Mauricio de Sousa fecha o ano com um registro positivo para o cinema nacional. Trata-se de cinema infantil de altíssima qualidade, bem melhor que o primeiro longa, e ainda abre as portas para um “universo Mauricio de Sousa” nas telas.

Drama de formação, a história explora o amadurecimento da turma, mostrando as consequências de tentarem fugir às reponsabilidades escolares. Pegos, são forçados pelos pais a se separarem. Enquanto Mônica (Giulia Benite) troca de colégio, Cebolinha (Kevin Vechiatto), Magali (Laura Rauseo) e Cascão (Gabriel Moreira) passam a ter atividades extracurriculares durante as folgas, o que lhes permite conhecer outras pessoas – isto é, outros personagens dos quadrinhos de Mauricio – e crescer individualmente.

Assim como em “Turma da Mônica - Laços”, a continuação é baseada numa graphic novel dos irmãos Lu e Vitor Cafaggi e a direção é novamente assinada por Daniel Rezende.

 

 

LARA

 

Além do filme da Mônica, os cinemas recebem um drama alemão premiado em circuito limitado.

“Lara” conta a história de uma pianista frustrada que dedicou sua vida a transformar o filho num grande músico, mas ao mesmo tempo tornou o rapaz ressentido pela falta de empatia com suas dificuldades. Em seu aniversário de 60 anos, ela faz planos para ver o primeiro concerto de piano do filho. Mas não foi convidada e não é bem-vinda à apresentação.

O drama de Jan-Ole Gerster (“Oh Boy”) venceu 12 prêmios internacionais, inclusive o troféu de Melhor Atriz para Corinna Harfouch (“Aqui e Agora”), intérprete da mãe do título, no Festival de Karlovy Vary.