Instagram/Leslie Grace

Batgirl será negra como a nova Batwoman

A atriz Leslie Grace (“Em um Bairro de Nova York”) teria sido escolhida como a nova Batgirl do cinema. Os sites Deadline, The Hollywood Reporter e Variety se anteciparam ao anúncio oficial nesta quarta (21/7), após o nome da atriz vazar entre as finalistas para o papel.

Leslie Grace é uma atriz latina e negra, e disputava o papel com a loira Haley Lu Richardson (“A Cinco Passos de Você”). As duas só tinham uma coisa em comum: a idade de 26 anos.

De acordo com o relato do Deadline, a Warner estava empolgada com a atriz desde seu desempenho no musical “Em um Bairro de Nova York”. O estúdio, no entanto, ainda não se manifestou oficialmente sobre a escolha.

Desta forma, a HBO Max terá Batgirl e Batwoman negras em sua programação – ainda que Leslie Grace seja bem mais clara.

A maior diferença entre as personagens, porém, não é o tom de pele. Enquanto a versão negra de Batwoman (vivida por Javicia Leslie) foi criada especialmente para sua série e integrada de forma orgânica, após a atriz que interpretava a versão original (branca) desistir da atração ao final da 1ª temporada, Batgirl deve ser a mesma personagem – que não é negra – dos quadrinhos.

Embora a sinopse não tenha sido revelada, o filme deve contar a história de como a filha do Comissário Gordon se inspirou em Batman para adotar sua identidade secreta e combater o crime.

Esta origem já foi apresentada em formato live-action logo na estreia da personagem. Batgirl surgiu em 1967, quando executivos de televisão encomendaram uma heroína para atrair público feminino para a série “Batman”, que estava perdendo audiência em sua 3ª temporada.

Escolhida como intérprete da personagem, a atriz Yvonne Craig ainda serviu como modelo físico para as primeiras artes da personagem, quando Batgirl foi integrada aos quadrinhos – quase simultaneamente à sua estreia na TV.

Apesar de ter se tornado uma das heroínas mais populares da DC Comics, ela só apareceu no cinema 30 anos depois, quando a loira Alicia Silverstone vestiu seu capuz em “Batman & Robin” (1997).

O fracasso de público e crítica daquela produção acabou reforçando a aposentadoria da personagem, que nos quadrinhos virou tetraplégica e passou a adotar a identidade de Oráculo, especializando-se em computação e serviços de inteligência para outros heróis.

Essa versão de Barbara Gordon também já foi vista em carne e osso, na série “Birds of Prey” (lançada no Brasil com o título equivocado de “Mulher Gato”), interpretada por Dina Meyer em 2002, e voltará a aparecer na 3ª temporada de “Titãs”, vivida por Savannah Welch (“Six”), a partir de 12 de agosto nos EUA.

Enquanto ela estava confinada numa cadeira de rodas nos quadrinhos, duas outras heroínas assumiram sua identidade, mantendo o nome de Batgirl vivo nas publicações mensais. Até que a DC Comics passou por dois reboots e mudou tudo, voltando a trazer Barbara Gordon em forma e de volta à ação como a Batgirl original.

O filme de “Batgirl” não está sendo desenvolvido para o cinema, mas para a HBO Max.

Assim como a atriz principal, os diretores do longa tem pele clara, mas não passam por brancos, a dupla Adil El Arbi e Bilall Fallah (de “Bad Boys Para Sempre”) – são cineastas belgas, filhos de imigrantes marroquinos.

A situação remete à escalação de uma Supergirl latina pelo diretor argentino Andy Muschietti no vindouro filme “The Flash”. O papel ficou com a atriz Sasha Calle (“The Young and the Restless”).

Neste caso, porém, o visual que vazou dos sets de filmagem não foi o de Kara Zor-El, a Supergirl loira e clássica dos quadrinhos, mas Lara Lane-Kent, filha de Superman e Lois Lane vista em “Injustiça: Deuses entre Nós – Ano Três”.