Divulgação/Loma Vista

Gravadora dispensa Marilyn Manson após denúncias de abuso sexual

O cantor Marilyn Manson está sem gravadora. Ele teve seu contrato oficialmente rompido após as denúncias de abuso sexual, agressão, tortura psicológica e estupro publicadas pelas atriz Evan Rachel Wood (“Westworld”) e outras quatro mulheres nesta segunda (1/2).

Em um comunicado, a gravadora Loma Vista Recordings informou que não vai mais promover o álbum mais recente de Manson ou trabalhar com ele em projetos futuros.

“À luz das alegações perturbadoras de Evan Rachel Wood e outras mulheres nomeando Marilyn Manson como abusador, a Loma Vista deixará de promover seu álbum atual, com efeito imediato. Devido a esses desenvolvimentos preocupantes, também decidimos não trabalhar com Marilyn Manson em qualquer projeto futuro”, diz o texto da gravadora.

A página de Manson também foi apagada do site da Loma Vista.

A decisão é a primeira repercussão das denúncias desta segunda, que começaram com um post de Evan Rachel Wood, que namorou o cantor quando tinha 18 anos e ele 36. Os dois tiveram uma longa relação, de 2006 a 2010, e chegaram a ficar noivos.

“O nome do meu abusador é Brian Warner, também conhecido como Marilyn Manson”, escreveu a atriz em suas redes sociais. “Ele começou a me assediar quando eu ainda era uma adolescente e abusou terrivelmente de mim por anos. Eu sofri uma lavagem cerebral e fui manipulada à submissão. Eu cansei de viver com medo da retaliação, difamação ou de chantagens. Eu estou aqui para expor esse homem perigoso e denunciar as indústrias que o permitem agir, antes que ele arruíne outras vidas. Eu estou ao lado das muitas vítimas que não vão mais se silenciar”.

Em resposta à postagem, quatro outras mulheres também apresentaram alegações de abuso semelhantes contra Manson. Wood compartilhou esses desabafos em seu Stories no Instagram.

Estas não são as primeiras alegações de abuso contra Manson. Em maio de 2018, um boletim de ocorrência chegou a ser preenchido contra ele por crimes sexuais não especificados que datavam de 2011. A investigação não foi adiante, porque o crime acabou prescrito.

O advogado de Manson, Howard E. King, disse na ocasião: “As alegações feitas à polícia são categoricamente negadas pelo Sr. Warner e são completamente delirantes ou parte de uma tentativa calculada de gerar publicidade … Qualquer alegação de impropriedade sexual naquela ou em qualquer outra época é falsa. ”