History desiste de fazer séries. Project Blue Book e Knightfall são canceladas



O canal pago americano History cancelou todas as suas séries de ficção. Na verdade, são apenas duas: “Project Blue Book” e “Knightfall”, ambas encerradas depois de duas temporadas.

No ano passado, o History já tinha anunciado que terminaria “Vikings”, a primeira atração dramática do canal – que antes desse lançamento fazia apenas documentários e reality shows. Enquanto “Vikings” ainda tem 10 episódios a exibir de sua última temporada, as demais não voltam mais à televisão.

“Knightfall” já não era exibida há um ano. A 2ª temporada acabou em maio de 2019 e, desde então, os produtores aguardavam uma definição sobre o destino da atração. Já “Project Blue Book” transmitiu seu último episódio em março passado.

Produzida pelo ator Jeremy Renner (“Os Vingadores”), “Knightfall” foi um dos lançamentos mais bem-sucedidos da TV paga americana em 2017, com uma média de 2 milhões de telespectadores por episódio, mas por ser uma superprodução de época levou muito tempo para finalizar sua segunda leva de capítulos. O hiato de dois anos fez o público diminuir drasticamente. Apenas 648 mil viram o episódio final ao vivo. Para completar, a série tinha um custo elevado.

A trama girava em torno da ordem dos Templários, formada por cavaleiros das Cruzadas com o propósito original de libertar a Terra Santa e, após a conquista de Jerusalém, proteger os cristãos que faziam peregrinações ao local. O fervor religioso os tornou poderosíssimos, aumentando seus seguidores e riquezas, por meio de doações de terras e financiamento de suas campanhas. Mas isto causou inveja entre os monarcas da Europa, que alimentavam rumores sobre suas supostas atividades secretas, envolvendo relíquias descobertas na Terra Santa. Na série, uma de suas missões era encontrar o Cálice Sagrado, também conhecido como Santo Graal, que teria sido usado por Jesus Cristo durante a Santa Ceia.

O destino desses guerreiros religiosos foi trágico, como a série começou a demonstrar, após o rei Filipe IV de França passar a persegui-los para apossar-se de suas riquezas e aumentar seu próprio poder. A traição aconteceu numa sexta-feira 13 de 1307, razão pela qual as sextas-feiras 13 têm sido lembradas, mais de 700 anos depois, como amaldiçoadas.


“Project Blue Book” também era uma série de época, mas passada em tempos mais recentes, em meados do século 20. Produzida pelo cineasta Robert Zemeckis (“De Volta ao Futuro”), era uma espécie de “Arquivo X real”, baseada em casos documentados pelo astrônomo Josef Allen Hynek, considerado um dos pais da ufologia. Ele trabalhou com a Força Aérea dos Estados Unidos no chamado Projeto Livro Azul entre os anos 1960 e 1970, estudando a aparição de Objetos Voadores Não-Identificados (os famosos Óvnis) pelo país.

Foi Hynek quem criou a famosa classificação em “graus” dos contatos imediatos entre humanos e alienígenas. O primeiro grau seria a identificação visual de OVNI; o segundo, uma reação física à suposta presença de alienígenas (carros sem energia, paralisia corporal, etc); e o terceiro grau, que batizou um célebre filme de Steven Spielberg, seria a comunicação direta com seres de outro mundo.

Na série, Hynek foi vivido por Aiden Gillen (o Mindinho de “Game of Thrones”). O elenco também destacava Neal McDonough (o Damien Darhk de “Legends of Tomorrow”) e Michael Harney (Sam Healy em “Orange Is the New Black”) como generais da Força Aérea, Michael Malarkey (o Enzo de “The Vampire Diaries”) como o oficial encarregado de acompanhar o professor em suas investigações, e Laura Mennell (a Rebecca de “Van Helsing”) como a esposa de Hynek.

O detalhe é que “Project Blue Book” tinha 1,3 milhões de espectadores em sua 2ª temporada. Isso representa público bem maior que o das séries da HBO ao vivo, como as caríssimas “Watchmen” (759 mil) e a 3ª temporada de “Westworld” (812 mil).

Portanto, o problema não era audiência.

O fim dessas séries sinaliza a intenção do History de encerrar sua experiência com o gênero. Também explica porque o projeto de uma série derivada de “Vikings”, atração mais popular do canal, será produzida pela Netflix.



Marcel Plasse é jornalista, participou da geração histórica da revista de música Bizz, editou as primeiras graphic novels lançadas no Brasil, criou a revista Set de cinema, foi crítico na Folha, Estadão e Valor Econômico, escreveu na Playboy, assinou colunas na Superinteressante e DVD News, produziu discos indies e é criador e editor do site Pipoca Moderna



Back to site top
Change privacy settings