Estreias: Cinema brasileiro rende quatro destaques na semana



Treze filmes chegam aos cinemas nesta quinta (6/12) e nem o cinéfilo mais dedicado suportaria metade. Mais que de praxe, os piores são os que tem a maior distribuição: a animação “Encantado” e o terror “O Chamado do Mal”. Tão ruins que nem possuem previsão de estreia nos Estados Unidos, onde devem sair direto em DVD ou VOD, se forem lançados.

Hora da curadoria.

Entre os americanos, tem até um filme lacrimoso do criador da série “This Is Us”, mas o único recomendado é o drama indie “O Ódio que Você Semeia”. Adaptação do best-seller de Angie Thomas roteirizada por Audrey Wells (“Quatro Vidas de um Cachorro”), que faleceu em outubro, foi destaque no circuito de festivais da América do Norte e obteve 96% de críticas positivas no site Rotten Tomatoes. A trama acompanha a jovem Starr Carter (Amandla Stenberg, de “Jogos Vorazes”), que teve o nome traduzido para o público brasileiro como “Estrella” Carter. Estudante dedicada numa escola de brancos, ela nunca teve problemas raciais e fazia de tudo para não ser vista pelos colegas como “a garota negra” da aula. Até o dia em que descobre o racismo da pior forma, ao ver o namorado assassinado por um policial branco. Testemunha do crime, ela decide deixar de ser incolor para assumir uma posição na luta contra o preconceito. E as cenas de abuso começam a aumentar, conforme a protagonista passa a perceber melhor as cores do mundo em preto e branco ao seu redor.

Mas a semana é mesmo do cinema brasileiro. Há quatro obras de ficção e dois documentários nacionais, que se apresentam como as melhores opções da programação. Por coincidência, esta lista inclui duas adaptações de textos clássicos do teatro nacional que, cada um a seu modo, refletem o mundo atual.

A maior surpresa é a obra do único diretor estreante da leva. O ator Murilo Benício (“O Animal Cordial”) estreia atrás das câmeras com “O Beijo no Asfalto”, filmando a história conhecida de Nelson Rodriguez de forma nunca feito antes. E não apenas pelas imagens em preto e branco. Ao contrário da versão de 1981, rodada por Bruno Barreto, o novo “O Beijo no Asfalto” não é a simples transposição do texto de 1960, sobre um atropelado que pede um beijo a um desconhecido antes de morrer, e como esse beijo passa a atormentar a vida daquele que demonstrou compaixão. É, em vez disso, um filme sobre atores que se dedicam a encenar “O Beijo no Asfalto” – em abordagem similar a de “Ricardo III: Um Ensaio” (1996), de Al Pacino.

Filmagem e bastidores se misturam, ressaltando o talento dos intérpretes, comandados por Lázaro Ramos (“O Vendedor de Passados”), Stênio Garcia (“O Inventor de Sonhos”), Octavio Müller (“Benzinho”) e Débora Falabella (“O Filho Eterno”), esposa de Benício, mas principalmente Fernanda Montenegro (“Infância”), para quem Rodriguez escreveu a peça original. E conforme roupas de época mesclam-se a conversas do elenco e elementos da encenação, os temas pertinentes da história, como preconceito, fake news e corrupção, ganham projeção e demonstram como os problemas nacionais continuam iguais.

Ainda mais “como nossos pais” é a adaptação de “Rasga Coração”. Escrito entre 1972 e 1974, o último texto teatral de Oduvaldo Vianna Filho (o criador da série “A Grande Família”) lida com conflito de gerações, mas também com o conflito entre o homem comum e a realidade política e social do país. Acabou virando um marco da luta contra a censura, passando cinco anos proibida pela ditadura.

A versão cinematográfica traz Marco Ricca (“Chatô, O Rei do Brasil”) como o pai que foi rebelde na juventude, acomodou-se na classe média e agora tem que lidar com um filho que repete sua trajetória, tendo os protestos políticos de duas gerações como panos de fundo. O cineasta Jorge Furtado (“Real Beleza”), por sinal, atualizou a trama, situando a juventude do pai na época de Vianinha, enquanto seu filho (Chay Suede) explora outras lutas no século 21, ligadas à causas queer. A atualização, porém, vai até certo ponto, pendendo sempre para o ponto de vista do paizão setentista. Também fazem parte do elenco Drica Moraes (“Getúlio”) e João Pedro Zappa (“Gabriel e a Montanha”).

Mais premiado da semana, “Tinta Bruta”, dos gaúchos Marcio Reolon e Filipe Matzembacher (dupla de “Beira-Mar”), foi o Melhor Filme do Festival do Rio 2018 e venceu o prêmio Teddy, concedido por um júri independente aos melhores longas com temática LGBTQ da seleção oficial do último Festival de Berlim. O drama acompanha um jovem que usa o codinome GarotoNeon para trabalhar como camboy, fazendo performances eróticas com o corpo coberto de tinta para milhares de anônimos ao redor do mundo, pela internet. A maior força do filme está em suas imagens, belamente fotografadas, que ocupam o espaço das poucas falas e edição minimalista da produção, numa ode ao voyeurismo-exibicionismo que não segue realmente o roteiro esperado.

Com maior apelo popular, “A Mata Negra” é o quinto longa de terror de Rodrigo Aragão, que chega aos cinemas uma década após o primeiro, “Mangue Negro” (2008). E demonstra a clara evolução do cineasta capixaba, que aprendeu sozinho a dirigir e a fazer efeitos especiais práticos para baratear suas produções. Embora continue trabalhando com muitos atores amadores, Aragão especializou-se em evocar um clima macabro, que se mostra especialmente perturbador no novo trabalho, enquanto segue a desenvolver um terror com elementos nacionais. Nisto, é claramente sucessor de José Mojica Marins, o Zé do Caixão.

O filme adapta “causos” regionais para contar a história de uma menina que recebe a missão de ler um misterioso livro de “rezas” para salvar a alma de um homem que vê a morte chegar. Entretanto, ela desobedece a ordem de queimar a obra – que seria o livro de São Cipriano – e, após o homem falecer, passa usá-lo por conta própria, desencadeando uma série de tragédias.

A produção é a primeira da carreira de Aragão a contar com dinheiro de edital de fomento. Custou R$ 630 mil e, como novidade, teve até a participação de atores famosos, como Jackson Antunes (“Mais Forte que o Mundo: A História de José Aldo”) e Francisco Gaspar (“O Matador”). O elenco também destaca Carol Aragão (de “Mar Negro”), filha do cineasta, no papel principal.

Vale conferir ainda o português “Raiva”, de Sérgio Tréfaut (“Viagem a Portugal”), uma história intensa em preto e branco sobre o período de fome nos campos do país nos anos 1950, e os documentários, em particular o dedicado ao cartunista “Henfil”.

De resto, veja os trailers e as sinopses abaixo.

O Ódio que Você Semeia | EUA | Drama

Starr Carter (Amandla Stenberg) é uma adolescente negra de 16 anos que presencia o assassinato de Khalil, seu melhor amigo, por um policial branco. Ela é forçada a testemunhar no tribunal por ser a única pessoa presente na cena do crime. Mesmo sofrendo uma série de chantagens, ela está disposta a dizer a verdade pela honra de seu amigo, custe o que custar.

O Beijo no Asfalto | Brasil | Drama

Baseado na peça homônima escrita por Nelson Rodrigues. Ao presenciar um atropelamento, Arandir, um bancário recém-casado, tenta socorrer a vítima, mas o homem, quase morto, só tem tempo de realizar um último pedido: um beijo. Arandir beija o homem, mas seu ato é flagrado por seu sogro Aprígio e fotografado por Amado Ribeiro, um repórter policial sensacionalista.

Rasga Coração | Brasil | Drama

Manguari Pistolão (Marco Ricca) é ao mesmo tempo um herói e um homem comum. Atuante na militância em boa parte da vida, agora ele terá que enfrentar o mesmo que seu pai enfrentou: o seu filho Luca (Chay Suede) pretende deixar a faculdade de Medicina e ingressar de vez no movimento hippie. Em um crescente conflito com as escolhas do filho, ele verá seu passado sendo reiventado na figura dele.



Tinta Bruta | Brasil | Drama

O jovem Pedro (Shico Menegat) vive um momento complicado, ele responde a um processo criminal ao mesmo tempo em que precisa lidar com a mudança da irmã, sua única amiga. Como forma de catarse, ele assume o codinome GarotoNeon e passa a se apresentar anonimamente na internet dançando nu na escuridão do seu quarto, coberto apenas por uma tinta fluorescente.

Mata Negra | Brasil | Terror

Numa floresta do interior do Brasil, uma garota vê sua vida – e a de todos ao seu redor – mudar terrivelmente quando encontra o Livro Perdido de Cipriano, cuja Magia Sombria, além de outorgar poder e riqueza a quem o possui, é capaz de libertar uma terrível maldição sobre a terra.

Raiva | Portugal | Drama

Nos remotos campos do Baixo Alentejo, no sul de Portugal, a miséria e a fome assolam a população. Quando dois violentos assassinatos acontecem em uma só noite, um mistério toma o lugar: qual poderia ser a origem desses crimes?

Encantado | Canadá | Animação

Quando criança, o príncipe Felipe Encantado foi alvo da bruxa Morgana, que aplicou nele um feitiço que faz com que todas as mulheres por ele se apaixonem assim que o vêem. Com isso, ele não apenas salva como se torna noivo de três princesas em apuros: Branca de Neve, Cinderela e a Bela Adormecida. O feitiço apenas será quebrado quando o príncipe encontrar o amor verdadeiro, algo bastante difícil diante de tamanha adoração. Precisando cumprir um desafio em três etapas, ele encontra apoio na ladra Leonora Quinonez, que está imune ao seu galanteio e se traveste de homem para ajudá-lo.

O Chamado do Mal | EUA | Terror

Um professor universitário e sua esposa, que estão prestes a ter um bebê, serão os responsáveis por um ato com consequências horrendas: eles liberam, involuntariamente, uma entidade maligna com pretensões perigosas.

A Vida em Si | EUA | Drama

O relacionamento amoroso vivido por um casal (Oscar Isaac e Olivia Wilde) é contado através de diferentes décadas e continentes, desde as ruas de Nova York até Espanha e como diferentes pessoas acabam se conectando com eles através de um evento marcante.

2 Outonos e 3 Invernos | França | Comédia

Arman (Vincent Macaigne) tem 33 anos e resolve mudar de vida. Para começar, começa a correr no parque aos sábados. No primeiro dia, conhece Amélie (Maud Wyler). A primeira impressão é de um choque, a segunda será uma punhalada no coração. Benjamin (Bastien Bouillon) é o melhor amigo de Arman. Entre dois outonos e três invernos as vidas de Amélie, Arman e Benjamin se cruzam, cheias de encontros, acidentes, histórias de amor e memórias

Maria Callas – Em Suas Próprias Palavras | França | Documentário

Maria Callas nasceu na cidade de Nova York em 1923, numa família de imigrantes gregos. Incentivada pela mãe a desenvolver dotes artísticos desde cedo, teve aulas de canto lírico com Elvira Hidalgo no Conservatório de Atenas e não tardou a ser reconhecida internacionalmente como a melhor cantora de ópera de todos os tempos. Através de entrevistas, imagens raras de arquivo, filmagens pessoais e cartas íntimas, a vida e a carreira da artista são reconstituídas.

Henfil | Brasil | Documentário

O documentário registra uma proposta curiosa feita a uma turma de jovens animadores: tentar trazer para a atualidade as obras do cartunista, jornalista e ativista brasileiro Henrique de Souza Filho, o Henfil. Além desse processo, o filme traz depoimentos de amigos e revelações sobre como o artista hemofílico lidava com sua doença e utilizava seus desenhos como instrumento de luta contra a censura política de sua época.

Meu Tricolor de Aço | Brasil | Documentário

Completando 100 anos de existência no ano de 2018, o Fortaleza Esporte Clube é considerado, além de um respeitado time de futebol, um patrimônio cultural do Ceará e da vida de centenas de jogadores e torcedores. Remontando a trajetória repleta de glórias, derrocadas e alegrias, dirigentes, empresários e apaixonados pelo Fortaleza prestam emocionados depoimentos sobre uma história que começou a ganhar forma ainda em 1912.


Marcel Plasse é jornalista, participou da geração histórica da revista de música Bizz, editou as primeiras graphic novels lançadas no Brasil, criou a revista Set de cinema, foi crítico na Folha, Estadão e Valor Econômico, escreveu na Playboy, assinou colunas na Superinteressante e DVD News, produziu discos indies e é criador e editor do site Pipoca Moderna



Back to site top
Change privacy settings