Sucesso de Halloween inspira resgate da franquia Sexta-Feira 13


Conforme previsto, o sucesso de bilheteria do novo “Halloween”, que estreou com US$ 77,5 milhões nas bilheterias da América do Norte no fim de semana, tirou do arquivo o projeto de relançamento de “Sexta-Feira 13”, a franquia mais famosa da era do terror slasher.

A matança do serial killer Jason Voorhees deve voltar às telas com produção de Roy Lee (da Vertigo Entertainment) e do astro esportivo LeBron James, que não foi só jogar basquete em Los Angeles, mas investir alto em Hollywood com o financiamento de um estúdio, SpringHill Entertainment.

As companhias estão realizando reuniões com diretores e roteiristas para definir o melhor caminho para retomar a franquia, que aterroriza Hollywood desde 1980, quando o primeiro “Sexta-Feira 13” foi lançado.

Mas a produção tem pela frente uma luta jurídica complicada para sair do papel. É que, no mês passado, o roteirista do longa original, Victor Miller, recuperou os direitos de sua história. A decisão ainda não é definitiva, pois enfrentará apelação do produtor e diretor Sean Cunningham, que assinou o filme de 1980, mas, de todo modo, o maior símbolo da franquia não faz parte dos direitos do roteirista. A versão adulta de Jason Voorhees, que usa máscara de hóquei e facão afiado, só começou a estripar quem acampa no Lago Cristal no segundo filme da franquia. E isso deixa a situação enrolada, sem que haja clareza legal sobre quem tem direito a quê na franquia.

O fato de o vilão do primeiro filme ser a mãe de Jason chegou a virar pegadinha famosa do filme “Pânico” (1996), quando Drew Barrymore erra a pergunta: quem é o assassino de “Sexta-Feira 13”?



A franquia durou 12 filmes, incluindo uma sci-fi espacial, “Jason X” (2001), o crossover “Freddy vs. Jason” (2003) e uma tentativa de reboot em 2009, último filme passado no Lago Cristal.

No ano passado, o estúdio Paramount quase produziu um novo “Sexta-Feira 13”, mas desistiu a apenas um mês da data marcada para o início das filmagens. Especula-se que a decisão tenha sido tomada após o fraco desempenho de “O Chamado 3” nos EUA.

Em vez de considerar que “O Chamado 3” possa ter fracassado simplesmente por ser um filme ruim, o estúdio preferiu acreditar que a continuação demorou demais a ser feita e, após 12 anos, outra geração de frequentadores de cinema não tinha a mesma expectativa de quem assistiu aos primeiros filmes.

Por ironia, a volta do interesse em “Sexta-Feira 13” se deve ao resgate de “Halloween”, cujo filme anterior tinha sido lançado no mesmo ano do último “Sexta-Feria 13”, em 2009. Para reforçar ainda mais ironia, Roy Lee, que está pro trás da volta de Jason Voorhees, foi o produtor de “O Chamado 3”. A conclusão é que a Paramount precisa de novos executivos.

Afinal, como todo fã de terror sabe de cor, assim como Michael Myers em “Halloween”, Jason nunca morre de verdade.


Marcel Plasse é jornalista, participou da geração histórica da revista de música Bizz, editou as primeiras graphic novels lançadas no Brasil, criou a revista Set de cinema, foi crítico na Folha, Estadão e Valor Econômico, escreveu na Playboy, assinou colunas na Superinteressante e DVD News, produziu discos indies e é criador e editor do site Pipoca Moderna



Back to site top
Change privacy settings