Volta da série clássica Roseanne quebra recorde de audiência nos Estados Unidos



A estreia do revival da série clássica de comédia “Roseanne” bateu recorde de audiência na rede americana ABC. Segundo dados da consultoria Nielsen, o episódio inaugural da atração, exibido na noite de terça (27/3) nos Estados Unidos, foi assistido por 18,1 milhões de espectadores e marcou 5,1 pontos na demo (entre espectadores na faixa demográfica de 18 a 49 anos), um feito incrível que só costuma ser registrado em transmissões de grandes eventos esportivos ao vivo!

Para dimensionar o tamanho do sucesso, o único episódio que superou essa marca na atual temporada (iniciada em setembro) foi o capítulo de “This Is Us” exibido logo após o Super Bowl, geralmente o horário de maior audiência do ano na TV americana.

Em outra comparação, a estreia do revival de “Will & Grace”, considerada a maior estreia da tendência de resgates de séries antigas, foi vista por 10 milhões de espectadores e marcou 3,0 pontos. Por conta disso, a produção já foi renovada para mais duas temporadas.

“Roseanne” estava há 21 anos fora do ar.

Exibida originalmente na rede ABC entre 1988 e 1997, a série não precisou sacudir muita poeira da história da televisão para retornar nos anos de Donald Trump. Afinal, Trump foi eleito um presidente por personagens como os representados pela família Conner – não por acaso, a criadora da série e intérprete da personagem-título Roseanne Barr é eleitora declarada de Trump.

A série vencedora de três Globos de Ouro e quatro Emmys continua a girar em torno dos problemas de classe trabalhadora dos Conner, às voltas com dificuldades de casamento, filhos, dinheiro etc. Esta característica, por sinal, já diferenciava a atração original, espécie de “Os Simpsons” de carne e osso, antes de “Os Simpsons” virarem animação. Enquanto as famílias televisivas anteriores eram todas certinhas, os episódios de “Roseanne” refletiam a realidade vivida pela audiência, como dificuldades para pagar contas e criar os filhos.


A produção também foi responsável por popularizar o astro John Goodman (visto mais recentemente em “Kong: A Ilha da Caveira”), que literalmente precisará ressuscitar seu personagem para participar do revival. Fãs da série devem lembrar que seu personagem, Dan, havia morrido de ataque cardíaco. Isto foi resolvido com uma piada rápida no capítulo do retorno.

Os intérpretes das crianças originais eram Sara Gilbert, Alicia Goranson e Michael Fishman, que também voltam no revival, agora como adultos com seus próprios problemas financeiros e familiares para lidar. Além deles, ainda voltam Laurie Metcalf, irmã de Roseanne na trama, e Johnny Galecki (ele mesmo, de “The Big Bang Theory”).

As novas crianças são justamente os filhos de David (Galecki) e Darlene (Gilbert). O curioso é que apenas a filha mais velha, Harris, nasceu durante a exibição da série original. Ela é interpretada por Emma Kenney (série “Shameless”). Já seu irmãozinho Mark, personagem do estreante Ames McNamara, foi concebido “fora do ar”. Ele é um menino pequeno, que foi batizado em homenagem ao irmão de David, originalmente interpretado pelo falecido Glenn Quinn (1970–2002).

O sucesso de “Roseanne” deve animar os estúdios a realizar ainda mais resgates de produções clássicas, após “Twin Peaks”, “Arquivo X”, “Fuller House”, “Prison Break”, “Heroes”, “Gilmore Girls” e “Will & Grace”, que também deram o que falar.

A rede CBS está atualmente produzindo o revival de “Murphy Brown” para a próxima temporada de outono e há conversas intensas a respeito de “The Office” e “Mad About You”.



Marcel Plasse é jornalista, participou da geração histórica da revista de música Bizz, editou as primeiras graphic novels lançadas no Brasil, criou a revista Set de cinema, foi crítico na Folha, Estadão e Valor Econômico, escreveu na Playboy, assinou colunas na Superinteressante e DVD News, produziu discos indies e é criador e editor do site Pipoca Moderna



Back to site top
Change privacy settings