Diretor de documentário é primeiro transexual indicado ao Oscar

A grande diversidade dos indicados ao Oscar 2018 incluiu o primeiro indicado transexual da história da premiação.

Yance Ford, o diretor do documentário “Strong Island” é um negro transgênero. O filme, adquirido pela Netflix, não lida com questão de gênero, mas de raça, ao conduzir uma investigação sobre o assassinato do irmão do cineasta em 1992.

Além de dirigir, Ford é um dos produtores do filme e representará “Strong Island” na premiação.

Anteriormente, a Academia premiou muitos atores heterossexuais que interpretaram papéis de transexuais, como Jarde Leto em “Clube de Compra Dallas” (2013) e Hilary Swank em “Meninos Não Choram” (1999), mas nunca tinha indicado um transexual real a prêmios.

E neste ano um filme de temática e atriz transexual também integra a lista de indicados. O chileno “Uma Mulher Fantástica”, de Sebastian Lelio, que disputa a categoria de Filme de Língua Estrangeira, é estrelado pela atriz trans Daniela Vega. Na trama, ela interpreta uma cantora transgênero que sofre com a morte do namorado.

A seleção da Academia ainda destacou produções com diversos personagens homossexuais, desde o mais evidente “Me Chame pelo seu Nome” até “A Forma da Água” e “Lady Bird”.

A entidade GLAAD, dedicada a zelar pela imagem da comunidade LGBTQ nos Estados Unidos, emitiu um comunicado, assinado por sua presidente Sarah Kate Ellis, elogiando a Academia pela iniciativa.

“É um grande dia para filmes inclusivos LGBTQ no Oscar. Filmes como ‘A Forma da Água’, ‘Uma Mulher Fantástica’, ‘Lady Bird’ e ‘Me Chame pelo seu Nome’ não só têm retratos complexos, detalhados e fluídos, mas provam que o público e os críticos estão famintos por histórias que englobem a diversidade”, diz o texto. “Essas histórias importantes ajudam a avançar na aceitação do LGBTQ, no momento em que as imagens de mídia são muitas vezes a linha de frente para comunidades marginalizadas”.