Jada Pinkett Smith humilha o Globo de Ouro com post certeiro no Twitter

 

A atriz Jada Pinkett Smith não se conteve diante da falta de indicações de seu filme, a comédia “Viagem das Garotas” (Girls Trip), no Globo de Ouro 2018. A reação poderia ser tomada como dor de cotovelo, mas ela fundamentou com uma crítica certeira contra a Associação da Imprensa Estrangeira de Hollywood, apontando os grandes equívocos da seleção deste ano.

“Eu não estou chateada pela Tiffany Haddish ou ‘Viagem das Garotas’ não terem recebidos nomeações… Estou desanimada pelo fato de que a Associação de Imprensa Estrangeira de Hollywood nem sequer assistiu ao filme”, ele destacou, no meio de uma dezena de posts, que lembram que “Viagem das Garotas” foi “a comédia mais bem-sucedida do verão e Tiffany Haddish a atriz mais engraçada”.

Ela reforçou sua crítica ao notar: “O fato de que o brilho de ‘Doentes de Amor’ passou despercebido e o fato de que um dos filmes mais prolíficos do ano, ‘Corra!’, ser considerado uma comédia… ilumina as profundezas do abismo… de verdade”.

O desabafo também focou o trabalho dos estúdios, que não se dedicaram como deveriam aos filmes. Afinal, a sugestão de que “Corra!” deveria ser comédia partiu da Universal – o que fez o diretor Jordan Peele protestar publicamente. O mesmo estúdio não acreditou no potencial de “Viagem das Garotas”. Segundo a atriz, não organizou entrevistas nem eventos de imprensa para promover a produção na temporada de premiações.

A Universal nem sequer lançou “Viagem das Garotas” nos cinemas no Brasil, distribuindo-o direto em streaming agora em dezembro.

Mas o filme tem 89% de aprovação no site Rotten Tomatoes e concorre no Critics Choice como Melhor Comédia e Melhor Atriz de Comédia (Tiffany Haddish) do ano. Tiffany também foi considerada a Melhor Atriz Coadjuvante de 2017 pela associação dos críticos de cinema de Nova York.

Jada também lembrou de “Doentes de Amor”, premiado nos festivais de Locarno e SXSW, presente na lista dos melhores do ano do American Film Institute e indicado ao Spirit Awards. E nem é preciso de se estender em relação a “Corra!”, campeão de prêmios em 2017, ignorado nas categorias de Direção e Roteiro, onde acumula vitórias.

“E não me atrevo a invalidar todo o esforço dos jornalistas e pessoas de todos os setores que apoiaram estes filmes, definindo a questão como simplesmente… racismo”, escreveu a atriz. “Mas Hollywood possui sistemas que devem aprender a expandir seus conceitos de raça, igualdade de gênero e inclusão em relação às suas percepções de arte em geral”, acrescentou.

“Momentos como este ocorrem para que possamos discutir, recriar e atualizar paradigmas antigos. Tudo em prol da evolução”, concluiu.

Comente

Marcel Plasse é jornalista, participou da geração histórica da revista de música Bizz, editou as primeiras graphic novels lançadas no Brasil, criou a revista Set de cinema, foi crítico na Folha, Estadão e Valor Econômico, escreveu na Playboy, assinou colunas na Superinteressante e DVD News, produziu discos indies e é criador e editor do site Pipoca Moderna

Back to site top
Change privacy settings