Twitter/Marilyn Manson

Johnny Depp apoiou Marilyn Manson contra denúncias de mulheres: “Não aceita essas m…”

A pilha de cerca de 6 mil páginas de documentos judiciais que integraram o julgamento por difamação entre Johnny Depp e Amber Heard está lotada de revelações que não foram trazidas à tona no tribunal. Os documentos registram tudo o que a juíza Penney Azcarate proibiu de ser levado ao julgamento, atendendo a pedidos dos advogados das duas partes.

De acordo com descobertas da imprensa americana, há desde declarações comprometedoras até mensagens de texto que poderiam mudar o veredito de ambos os lados.

Contra Heard, há uma declaração de terceiros de que sua irmã teria confessado que foi a atriz que cortou a ponta do dedo de Johnny Depp ao jogar uma garrafa em sua direção. Quem faz a afirmação é uma ex-chefe de Whitney Heard Henriquez, a curadora de arte Jennifer Howell, segundo uma transcrição da advogada de Depp, Camille Vasquez. A declaração não foi aceita por não ser um testemunho direito e por Whitney negar ter dito isso.

Os advogados de Heard também conseguiram barrar a tentativa de Depp de trazer à tona “o vídeo do reality show da irmã de Amber Heard, Whitney”, fotos nuas da atriz e “os relacionamentos românticos passados ​​de Whitney e Amber”, afirma o documento. O astro de “Piratas do Caribe” ainda queria contar ao júri sobre “a breve passagem de Amber como dançarina exótica, anos antes de conhecer Depp”, escreveram seus advogados, que também se opuseram ao modo como o “Sr. Depp tenta sugerir ou insinuar de maneira frívola e maliciosa que a Sra. Heard já foi uma acompanhante”, revelaram os documentos.

Já contra Depp, há material mais farto, a começar por uma coleção de mensagens de texto trocadas com Marilyn Manson sobre o tema da violência doméstica. Os advogados do ator conseguiram bloquear a inclusão desses textos no julgamento com a justificativa de que prejudicariam seu cliente, ao promover uma visão distorcida de sua amizade com o roqueiro – que também está no meio de um processo contra Rachel Evan Wood, que é muito similar ao movido por Depp contra Heard.

Em uma das mensagens para Depp, Manson afirma: “Eu tenho uma Amber 2.0”. E em seguida ele conta como a então namorada o acusou de agressão e de posse de drogas em casa. O astro da franquia ‘Piratas do Caribe’ se solidariza com o amigo e aconselha: “Não aceite nenhuma dessas merdas, fique calmo e não dê nada que ela pedir”.

O ator ainda acrescenta: “Comportamentos sociopatas… É para valer essa merda, meu irmão!! A c*zona da minha ex é a p***a de um exemplo vivo!!”. Ele também afirma: “O que ela quer é fazer você gritar, surtar completamente e alimentar o narcisismo dela!!!”. Ele então afirma que está lendo “MUITOS materiais sobre o tema” e concluiu afirmando: “Deveria ter me informado antes”.

Em outra troca de mensagens, Manson volta a reclamar da companheira, a chamando pelo apelido de “L”: “Eu tenho um cenário sério envolvendo a política do tipo Amber na família da L. Estou tenso demais. Não sei se você já voltou, mas preciso de abrigo em algum lugar porque acho que a polícia possa vir atrás de mim”.

O músico complementa: “A Lindsay deu uma de Amber e procurou a polícia. Ela segue fazendo a Amber e os policiais vão aparecer com um um mandado”.

Depp volta a aconselhá-lo: “Mantenha a distância e fique o mais longe possível dela!!!”. O cantor então conclui dizendo: “Isso doentio. Disse que bati nela. Deu o meu endereço para a polícia. E disse que tenho droga aqui. Estou pronto para dar o fora”.

Em uma última mensagem, Manson diz que vai apresentar uma fã a Depp, informando que ela tem 18 anos: “Minha nova garota que conheci em um encontro com fãs. Parece que você está precisando. Confia em mim. Vou mandar uma foto. 18”.

Os documentos também revelam que o julgamento excluiu uma referência a “Depp aparecer na TV bêbado e chapado [numa reunião], a ponto de os executivos do estúdio da Disney ligarem para sua ex-agente, Tracey Jacobs, perguntando ‘O que diabos havia de errado com seu cliente'”.

A equipe de Heard também afirmou que “esses mesmos problemas aconteceram durante as filmagens de ‘Piratas 5’ e a Disney disse à Sra. Jacobs que ‘aquela conduta não seria tolerada’ e que ‘a Disney não aceitaria isso'”.

O relacionamento de Depp com a Disney desempenhou um papel importante no julgamento, pois seus advogados argumentaram que as supostas alegações difamatórias de Heard lhe custaram dezenas de milhões de dólares por ele não ter feito “Piratas do Caribe 6”. Apesar disso, essa parte crucial de informação sobre o relacionamento do ator com o estúdio foi excluída do caso. Durante sua defesa, a equipe de Heard argumentou que a Disney demitiu o ator devido ao seu próprio comportamento, mas não teve permissão para comprovar.

Os documentos também mostram como os advogados de Depp conseguiram excluir do julgamento depoimentos sobre o registro de prisão do ator e litígios em andamento em outros casos, incluindo um processo que o acusava de agressão num set de filmagem.

Seus advogados foram bem-sucedidos em convencer a juíza de que a inclusão dessas evidências “não serviria para nenhum outro propósito além de prejudicar Depp diante do júri” e que Heard usaria isso para “oferecer evidências que retratam Depp como um homem violento”.

A advogada de Heard, Elaine Bredehoft, reclamou no programa “Today” que o júri foi proibido de ter acesso a evidências que foram aceitas no julgamento de Depp no ​​Reino Unido, onde ele perdeu seu caso contra o jornal The Sun por uma história que identificou-o como um “espancador de esposas”. “Tínhamos uma enorme quantidade de evidências que foram suprimidas neste caso, mas que estavam no caso do Reino Unido”, disse Bredehoft.

O veredito do julgamento, encerrado em 1º de junho, condenou Heard a pagar US$ 10,35 milhões em danos a Depp (US$ 10 milhões em danos compensatórios e US$ 350 mil em danos punitivos) por um artigo de opinião publicado no jornal Washington Post em 2018, em que ela se disse sobrevivente de violência doméstica. Embora o júri no veredicto tenha ficado mais do lado de Depp, ainda decidiu que o ator difamou sua ex-esposa ao lutar contra suas acusações. O júri concedeu a Heard US$ 2 milhões em danos compensatórios – na prática, apenas diminuiu um pouco o débito da atriz, que caiu para US$ 8,35 milhões.

Heard entrou com um recurso de apelação da sentença em julho.