Divulgação/Marvel

“Thor” entra em cartaz na maioria dos cinemas do Brasil

“Thor: Amor e Trovão” já garantiu o título de maior bilheteria dos cinemas do Brasil deste fim de semana estendido. Simplesmente porque entra em cartaz na maioria das salas de exibição do país. A Disney vai ocupar 1,8 mil telas com a produção nesta quinta-feira (7/7).

Apenas “Doutor Estranho no Multiverso da Loucura” e “Homem-Aranha: Sem Volta para Casa” tiveram maior distribuição – lançados, há poucos meses, em mais de 2 mil e 2,8 mil salas, respectivamente.

Apesar disso, o circuito alternativo conseguiu espaço para quatro estreias, com destaque para “O Acontecimento”, filme que venceu o Festival de Veneza e que trata de tema cada vez mais discutido no Brasil: o direito ao aborto.

Confira abaixo todos os lançamentos e seus respectivos trailers.

 

 
 

| THOR: AMOR E TROVÃO |

 

O novo filme do diretor Taika Waititi é uma comédia mais descarada que “Thor: Ragnarok”, que combina ação e humor para contar uma história de amadurecimento com muitas reviravoltas, lutas e piadas. Muitas piadas. Nem todas engraçadas, como atesta a recepção da crítica dos EUA – 70% de aprovação com blogueiros geeks, mas apenas 56% entre os críticos top do Rotten Tomatoes. E, apesar das gracinhas, o final é triste.

Em seu quarto filme individual, Thor encontra-se na jornada iniciada em “Vingadores: Ultimato”, compartilhando aventuras com os Guardiões da Galáxia e buscando paz interior. Mas esses dias de irresponsabilidade são encurtados pelo surgimento de um assassino espacial conhecido como Gorr, o Carniceiro dos Deuses, que tem como missão matar todos os deuses. Para impedir um novo massacre de asgardianos, Thor se alia ao Rei Valquíria, seu novo melhor amigo Korg e à ex-namorada Jane Foster – que ressurge loira, poderosa e com o antigo martelo mágico do Deus do Trovão, incorporando a Poderosa Thor – numa luta desesperada contra o Carniceiro dos Deuses.

O elenco destaca Chris Hemsworth (Thor), Natalie Portman (Jane), Tessa Thompson (Valquíria), Russell Crowe (Zeus) e Christian Bale (Gorr), sem esquecer da participação dos Guardiões da Galáxia e do diretor Taika Waititi como Korg. Além disso, as cenas pós-créditos incluem a introdução de um novo personagem (com gancho para “Thor 5”) e a volta de um velho conhecido, guardadas em “segredo”.

 

| O ACONTECIMENTO |

 

Principal estreia do circuito limitado, o vencedor do Leão de Ouro no Festival de Veneza em 2021 trata de um tema que tem dominado os noticiários atuais: o direito ao aborto. Adaptação do romance homônimo de Annie Ernaux, conta a história de uma brilhante estudante universitária do início dos anos 1960, que vê sua emancipação ameaçada ao engravidar. Determinada a terminar seus estudos e escapar das restrições sociais de sua família operária, ela se vê sem opções legais disponíveis e tenta encontrar uma maneira de abortar ilegalmente.

Além do Leão de Ouro, o segundo longa dirigido por Audrey Diwan (roteirista de “A Conexão Francesa”) conquistou 13 prêmios internacionais, incluindo o César de Atriz Mais Promissora, entregue à jovem estrela do drama: Anamaria Vartolomei (“Troca de Rainhas”). Também recebeu o Prêmio da Crítica em Veneza e atingiu uma das maiores aprovação dos críticos em geral neste ano: 99% no Rotten Tomatoes, com um total de 154 resenhas positivas e apenas uma negativa.

 

| LOLA E SEUS IRMÃOS |

 

A comédia francesa gira em torno de três irmãos: Lola, uma jovem advogada, que se apaixona por um de seus clientes; Benoît, que se casou pela terceira vez e vai ser pai sem estar preparado; e Pierre, atualmente com sérios problemas profissionais. Mas apesar dos dilemas individuais, que poderiam afastá-los, eles são inseparáveis. O roteiro e a direção são do ator Jean Paul Rouve (“Piaf: Um Hino ao Amor”), que também estrela o filme como um dos irmãos, ao lado de Ludivine Sagnier (“Lupin”) e José Garcia (“Atentado em Paris”).

 

| OS PRIMEIROS SOLDADOS |

 

Premiado no Festival de Tiradentes, o drama de Rodrigo de Oliveira (“Todos os Paulos do Mundo”) se passa em 1983 durante o começo da epidemia da Aids e acompanha um jovem biólogo, uma transexual e um videomaker, que tentam sobreviver à doença em meio ao desespero da falta de informação e do futuro incerto. Os papéis principais são vividos por Johnny Massaro (“Verdades Secretas”), Renata Carvalho (“Pico da Neblina”) e Victor Camilo (“A Mata Negra”). E tem algumas curiosidades: Carvalho passou uma década como agente de prevenção de DSTs, trabalhando com travestis e transexuais na prostituição. e Massaro se assumiu gay durante as filmagens.

 

| GYURI |

 

O documentário de Mariana Lacerda traça uma linha geopolítica improvável entre a pequena aldeia húngara de Nagyvárad e a terra indígena Yanomami, na Amazônia brasileira a partir do trabalho de Claudia Andujar. Judia, sobrevivente da 2ª Guerra, ela exilou-se no Brasil e dedicou a vida à salvaguarda dos povos Yanomami. Seu valioso acervo, sua militância incansável, seu passado de guerra e a vulnerabilidade atual dos indígenas são revistos por meio de diálogos de Andujar com o xamã Davi Kopenawa e o ativista Carlo Zacquini, e com a interlocução do filósofo húngaro Peter Pál Pelbart.