Instagram/Jerry Harris

Astro da série “Cheer” é condenado a 12 anos de prisão

O dançarino e cheerleader Jerry Harris, de 22 anos, foi sentenciado a 12 anos de prisão nos EUA na quarta-feira (6/7). Ele estava sendo processado desde 2020 por posse de pornografia infantil e por assédio e abuso sexual contra menores de idade.

Jerry Harris ficou conhecido por sua participação em “Cheer”, série documental da Netflix sobre o dia a dia dos líderes de torcida da Universidade de Navarro – apareceu em nove episódios das duas temporadas da atração.

Em fevereiro deste ano, ele admitiu ter trocado conteúdo erótico com pelo menos dez adolescentes, com idades entre 13 e 17 anos. Ele também reconheceu ter feito sexo com um garoto de 15 anos e ter pago um outro rapaz, de 17, para lhe mandar nudes.

Segundo os promotores do caso, o líder de torcida tentou convencer outro menor de idade a lhe praticar sexo oral dentro de um banheiro público, durante um evento esportivo, tendo ainda solicitado “nudes” de um quarto menor por meio do aplicativo Snapchat.

Ao se confessar culpado, seus advogados afirmaram que ele desejava “assumir a responsabilidade pelas próprias ações” e transmitir publicamente “seu remorso pelo dano causado às vítimas”, além de “passar o resto de sua vida redimindo-se pelo que fez”.