Divulgação/Globo

Selton Mello e mais seis brasileiros são convidados a integrar a Academia do Oscar

A Academia de Artes e Ciências Cinematográficas dos Estados Unidos emitiu nesta terça (28/6) seus convites anuais para novos membros, que passarão a integrar seus quadros. Ao todo, foram convidadas 397 pessoas de todos os campos da produção cinematográfica, de astros a relações públicas, e com múltiplas nacionalidades.

Entre os 53 convidados de fora dos EUA, destacam-se sete brasileiros: Selton Mello (“O Palhaço”), selecionado pelo setor de atuação da Academia; Bruno Barreto, que chegou a disputar o Oscar de Melhor Filme Estrangeiro com “O Que é Isso, Companheiro?” (1997); Jeferson De (“Doutor Gama”), um dos mais ativos diretores negros do país; Emílio Domingos (“Favela É Moda”), convidado como documentarista por seus filmes sobre cultura nas favelas; Sara Silveira, produtora de diversos clássicos do cinema independente nacional; Ilda Santiago, diretora executiva do Festival do Rio; e Waldir Xavier, engenheiro de som de “Central do Brasil” (1998), indicado ao Oscar de Filme Estrangeiro.

Outros estrangeiros incluem o japonês Ryûsuke Hamaguchi, roteirista e diretor de “Drive My Car”, que venceu o Oscar 2022 de Melhor Filme Internacional, o dinamarquês Jonas Poher Rasmussen, diretor do documentário animado “Flee”, o indiano Pawo Choyning Dorji, cineasta de “A Felicidade das Pequenas Coisas”, e a atriz norueguesa Renate Reinsve, estrela de “A Pior Pessoa do Mundo”.

Como é tradição, a lista também inclui os novatos vencedores do Oscar passado, como os atores Ariana DeBose (“Amor, Sublime Amor”) e Troy Kotsur (“No Ritmo do Coração”), a diretora-roteirista Siân Hader (também de “No Ritmo do Coração) e a cantora Billie Eilish e seu irmão Finneas O’Connell (autores da música-tema de “007: Sem Tempo para Morrer”).

A relação de astros que brilharam em filmes do Oscar passado abrange ainda Caitríona Balfe e Jamie Dornan de “Belfast”, Jesse Buckley de “A Filha Perdida”, Jesse Plemons e Kodi Smit-McPhee de “Ataque dos Cães”, e Anya Taylor-Joy de “Noite Passada em Soho”.

Aqueles que aceitarem os convites serão as únicas adições à associação em 2022 e passarão a ter o direito de votar no Oscar, escolhendo os melhores em suas categorias específicas e em categorias principais.

A seleção deste ano tem dois integrantes a mais que a turma de 2021 e mantém o objetivo de diversificar os eleitores do Oscar, após a reação negativa às indicações de 2015 originar a campanha #OscarsSoWhite, denunciando a falta de candidatos não brancos ao troféu.

A nova turma de convidados deve fazer com que a Academia supere um total de 10 mil membros aptos a votar no Oscar, tornando o prêmio um dos mais representativos de toda a indústria do entretenimento mundial.