Divulgação/Marvel

“Doutor Estranho” estreia em mais de 2 mil cinemas

Novo filme da Marvel, “Doutor Estranho no Multiverso da Loucura” chega em mais de duas mil telas nesta quinta (5/5), numa distribuição massiva que reproduz de forma ambiciosa o tom excessivo de sua trama, com múltiplos universos, versões de personagens e efeitos visuais. É uma produção tão cheia de informações que beira o kitsch. Também é um dos poucos lançamentos recentes que realmente foi concebido para aproveitar ao máximo a projeção em 3D – olha a dica.

Apesar do monopólio de salas, o circuito de arte também recebe três novos títulos, inclusive um longa ucraniano sobre a guerra no país.

Confira abaixo os títulos, os detalhes e os trailers das quatro estreias que entram em cartaz nesta semana.

 

 

DOUTOR ESTRANHO NO MULTIVERSO DA LOUCURA

O Universo Marvel vira Multiverso no filme mais esperado do ano. Continuação direta do fenômeno “Homem-Aranha: Sem Volta para Casa”, a produção conta o que acontece após o Doutor Estranho quebrar os limites entre as dimensões, resultando numa multiplicação de personagens e versões de personagens. Se antes eles vinham do catálogo da Sony, agora os heróis brotam de lugares ainda mais improváveis, como séries animadas da Disney+ e filmes supostamente enterrados da 20th Century Fox. E com dois detalhes contrastantes: o dobro de efeitos de “Homem-Aranha” e nem metade da emoção gerada por aquele filme.

Os trailers já entregaram demais e os fãs mais obcecados irão ao cinema já sabendo o que e quem esperar. Mas vale destacar que, além do Doutor Estranho (Benedict Cumberbatch) e sua (spoiler) inimiga Wanda Maximoff (Elizabeth Olsen), a participação de America Chavez, uma heroína de outro universo vivida por Xochitl Gomez (“O Clube das Babás”), é bastante importante.

O roteiro é de Michael Waldron, criador de “Loki”, que plantou as sementes do multiverso naquela série e aqui se perde entre as dimensões, demonstrando falta de concisão. Felizmente, o longa conta com direção de Sam Raimi, que em seu retorno aos personagens da Marvel, após comandar a trilogia original do Homem-Aranha, consegue fazer com que o multiexcesso vire diversão – mesmo aumentando as referências com ecos de sua própria franquia “Evil Dead”.

 

 

KLONDIKE – A GUERRA NA UCRÂNIA

A diretora Marina Er Gorbach concebeu seu filme, exibido sob elogios no Festival de Sundance em janeiro e premiado em Berlim em fevereiro, como um alerta ao mundo sobre a situação da Ucrânia. Mas após a invasão do país pela Rússia, quatro dias após a Berlinale, “Klondike” acabou se tornando ainda mais relevante, um retrato da população submetida ao que o título no Brasil chama de “Guerra na Ucrânia”.

A trama, na verdade, aborda o conflito civil do leste do país de 2014, época em que começaram os bombardeios de separatistas apoiados por Moscou. A personagem principal é Irka, jovem grávida que vive com o marido num vilarejo sob a sombra da violência, até tudo virar destroços. A destruição de seu lar é refletida pelo esfacelamento de famílias, com irmãos se dividindo entre “russos” e ucranianos. Com o teto caindo sob suas cabeças, o casal grávido também representa a luta pelo direito à vida em meio ao caos. Por todo o contexto, o filme atingiu 95% de aprovação no Rotten Tomatoes.

 

 

A FRATURA

 

 

Premiado com a Palma Queer do Festival de Cannes, o novo drama da cineasta francesa Catherine Corsini (“Um Belo Verão”) registra o impacto de protestos políticos violentos em Paris no atendimento de emergência de um pronto-socorro. As protagonistas são um casal lésbico prestes a se separar, que está no hospital por conta de um acidente e logo se vê em meio a vários feridos, sendo atendidas por uma equipe sobrecarregada e presas num confinamento que atravessa a noite. Com tanta tragédia, o mais incrível é que a trama é uma comédia.

As atrizes Valeria Bruni Tedeschi (“Loucas de Alegria”) e Marina Foïs (“Polissia”) interpretam o casal central, e o elenco ainda destaca Pio Marmaï (“Como Virei Super-Herói”) e principalmente Aïssatou Diallo Sagna, que antes deste filme era uma agente de saúde e nesta estreia no cinema acabou premiada com o César (o Oscar francês) de Melhor Atriz Coadjuvante do ano.

 

 

MIRADOR

Premiado no Festival Ibero-Americano de Miami, o filme de estreia de Bruno Costa acompanha um boxeador amador (Edilson Silva, de “Bacurau”), que treina para retornar aos ringues enquanto divide seu tempo com dois subempregos em Curitiba. Pai de uma menina pequena, fruto de uma relação casual, ele vê sua vida colocada de cabeça para baixo quando precisa cuidar sozinho de sua filha.

A obra chama atenção por elementos autorais, como a opção de Bruno Costa em transformar as dificuldades em problemas físicos – a rotina exaustiva de treinos e bicos para sobreviver, que rendem cansaço e transpiração. A captação de sons externos bastante limitada ainda reflete a falta de amigos, lazer e expectativas do personagem central, servindo para ampliar sua solidão. E o fato de ser uma obra aberta, sem desfechos para os problemas, acaba simbolizando a falta de controle do protagonista sobre a própria existência. Muito intertexto e um diretor para acompanhar com atenção.