Divulgação/HBO

Diretor de “007 – Sem Tempo Para Morrer” é acusado de assédio sexual

O cineasta Cary Joji Fukunaga, diretor de “007 – Sem Tempo Para Morrer”, virou alvo de denúncias de assédio sexual de três atrizes.

A primeira a se manifestar foi Rachelle Vinberg, da série “Betty”. Em um Stories publicado em seu Instagram na semana passada, ela relatou que foi convencida a ter um relacionamento com o diretor aos 18 anos de idade. Na época, ele tinha 38. Ela desabafou afirmando que seu envolvimento com Fukunaga a fez procurar ajuda psiquiátrica e foi diagnosticada com estresse pós-traumático. “Passei anos com medo dele. Ele é um aliciador e tem feito isso há anos. Cuidado, mulheres”, disse ela.

Após verem a publicação, as irmãs gêmeas Hannah e Cailin Loesch, que trabalharam com Fukunaga na série “Maniac”, revelaram que ele foi grosseiro durante as gravações, com várias insinuações sexuais, tendo inclusive sugerido ficar com as duas ao mesmo tempo.

De acordo com as irmãs, na época elas tinham 20 anos e o cineasta questionava se elas eram virgens e chegou a forçar Hannah a sentar no seu colo com Cailin do lado.

Em um determinado momento, Fukunaga teria convidado as duas irmãs para verem um versão inicial de “007 – Sem Tempo Para Morrer” em seu apartamento. Quando chegaram na casa do diretor, “era uma festa a três em sua cama”. Depois de se recusarem a deitar com o cineasta, ele ainda teria lhes oferecido drogas para ficarem em sua casa – ácido e MDMA.

As acusações de Vinberg e das irmãs Loesch vêm poucos meses depois de Raeden Greer (“Magic Mike XXL”) acusar Fukunaga de dimití-la da série “True Detective” por se recusar a fazer uma cena nua.

Nem Fukunaga nem seus representantes se manifestaram após as postagens.