Divulgação/Ricordi

Catherine Spaak (1945–2022)

A atriz Catherine Spaak, que foi símbolo sexual do cinema italiano dos anos 1960, morreu em Roma aos 77 anos. Ela sofreu uma hemorragia cerebral no ano passado e sua morte foi noticiada no domingo (17/4) pela RAI News.

Filha de pais belgas, Spaak nasceu na França, mas foi naturalizada italiana após começar a rodar um filme atrás do outro no país.

Desde o começo da carreira, a atriz alternou-se entre produções italianas, como “Amantes e Adolescentes” (1960), de Alberto Lattuada, e francesas como “O Poço das 3 Verdades” (1961), de François Villiers. E ainda era uma coadjuvante adolescente quando chamou atenção do grande público, na comédia de viagem “Aquele que Sabe Viver” (1962), de Dino Risi.

O filme que a catapultou para o estrelato foi “Um Pedaço de Mau Caminho” (1962). Ela tinha só 17 anos quando encarnou o papel-título, uma lolita loira de cabelo chanel que encanta o maduro Ugo Tognazzi. Apresentada de maiô no pôster, ela se consagrou imediatamente como sex symbol, virando uma das atrizes mais requisitadas do cinema italiano.

Ao atingir a maioridade, Spaak passou a aparecer em alguns dos filmes mais picantes da Itália, destacando-se em “Vidas Ardentes” (1964), de Florestano Vancini, “Mulher de Muitos Amores” (1965), de Luigi Comencini, “Não Faço a Guerra, Faço o Amor” (1966), de Franco Rossi, “Vidas Vazias” (1963) e “Momentos Eróticos” (1969), ambos de Damiano Damiani, “Adultério à Italiana” (1966), “O Marido é Meu… e o Mato Quando Quiser” (1968), “O Mando é das Mulheres” (1968) e “Aquele Amor com Tanto Amor” (1970), os quatro de Pasquale Festa Campanile, além de diversas antologias de temáticas sexuais.

A lista inclui dois longas com o maior ídolo italiano, Marcello Mastroianni: a antologia “Homem, Mulher e Dinheiro” (1965) e a comédia “Break Up (Brinquedo Louco)” (1968), ambos dirigidas por Marco Ferreri.

Ela também integrou os elencos do romance francês “La Ronde” (1964), de Roger Vadim, da comédia épica “O Incrível Exército Brancaleone” (1966), de Mario Monicelli, e do cultuado terror “O Gato de Nove Caudas” (1971), de Dario Argento. Mas teve dificuldades para encontrar bons papéis após se tornar “velha” para o tipo de filme que a consagrou, ao passar da metade dos anos 1970 e dos 30 anos de idade.

Depois do spaghetti western “Cavalgada Infernal” (1975), de Antonio Margheriti, a atriz passou a se dedicar a trabalhos televisivos, retornando ao cinema apenas espaçadamente e em pequenas participações. Apesar disso, seu último desempenho foi como protagonista de cinema, vivendo uma senhora com Alzheimer que faz amizade com um jovem bipolar em “Uma Amizade Inesperada”. Lançado em 2019, o filme de Enrico Iannaccone recebeu muitos elogios da crítica.

Spaak também apresentou programas da televisão italiana e gravou discos, cantando músicas de Françoise Hardy.

Por ocasião de seu falecimento, ela recebeu uma homenagem do ministro da Cultura da Itália, Dario Franceschini. Falando à imprensa, ele a definiu como “uma artista multifacetada, culta e elegante, que encontrou um lar em nosso país que ela acolheu e amou”.