Divulgação/AMPAS

Sean Penn defende boicote do Oscar se Academia barrar presidente da Ucrânia

O ator Sean Penn defendeu um boicote à cerimônia do Oscar 2022, que vai acontecer na noite deste domingo (27/3), caso se confirme que a organização do prêmio vetou a participação do presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, para um pronunciamento sobre a guerra que o país trava contra a Rússia. Quem revelou a iniciativa e a decisão da Academia de Artes e Ciências Cinematográficas foi a comediante Amy Schumer, uma das apresentadoras da premiação – ao lado de Regina Hall e Wanda Sykes.

A declaração de Sean Penn aconteceu durante uma entrevista à CNN exibido no sábado (26/3). O ator, que está realizando um documentário sobre a guerra na Ucrânia, foi entrevistado na Polônia, onde registra atualmente a chegada dos refugiados.

Questionado sobre a suposta decisão de barrar Zelensky, que também é ator, Penn replicou que espera que isso não tenha acontecido. Senão, este seria o “momento mais obsceno de toda a história de Hollywood”.

“Não há nada mais nobre que a Academia poderia fazer do que dar essa oportunidade a ele, de falar com todos nós. Até porque aí está um cara que entende de filmes, e tem uma longa e bem-sucedida carreira na indústria”, disse o ator.

“Se isso de fato tiver acontecendo, eu encorajaria qualquer um envolvido [na premiação] a protestar e boicotar o Oscar. Eu mesmo, se for o caso, derreteria os meus troféus em público”, prosseguiu ele, que tem duas estatuetas de Melhor Ator, por “Milk” (2008) e “Sobre Meninos e Lobos” (2003).

Para Penn, que se encontrou pessoalmente com Zelensky durante a produção de seu documentário, o presidente da Ucrânia encarna “aquele tipo de coragem poética e expressividade que os filmes aspiram ter”.