Divulgação/Universal

Crítica internacional elogia “007 – Sem Tempo para Morrer”: “Valeu a espera”

“007 – Sem Tempo para Morrer” foi finalmente exibido para a imprensa e as primeiras críticas são amplamente positivas.

O filme que marca a despedida de Daniel Craig como James Bond teve sua première mundial nesta terça, com exibição para críticos e celebridades convidadas, incluindo membros da realeza britânica, na tradicional sala de espetáculos Royal Albert Hall. O evento foi o mais concorrido desde o começo da pandemia e encontrou um público muito receptivo, arrancando risos e aplausos.

Com a publicação das primeiras críticas no começo da noite, o consenso é que a produção combina momentos ridículos da fase áurea de Roger Moore no papel de 007 com situações tensas e extremamente séries, que marcaram a passagem de Craig pela franquia de ação e espionagem.

As primeiras três dezenas de resenhas verificadas colocaram o filme com 90% de aprovação no site Rotten Tomatoes. O número está longe de ser definitivo, mas é extremamente promissor para o começo de sua jornada nos cinemas. Além disso, o tom é de que “valeu a espera”, como tuitou uma redatora do próprio Rotten Tomatoes, referindo-se ao período extremamente longo que o público precisou esperar para ver o filme.

Este também foi o tom da crítica mais longa publicada sobre o filme, que foi ao ar no site oficial da rede BBC.

“Lembre-se de que já se passaram quase seis anos desde que ‘007 Contra Spectre’ foi lançado em outubro de 2015; que a data de lançamento foi adiada três vezes devido à pandemia; que os cinemas britânicos dependem dele para reviver suas fortunas; e que este é o 25ª filme da franquia oficial; e com isso em mente a expectativa por ‘Sem Tempo para Morrer’ parece uma combinação de casamento real multiplicado por uma final de Copa do Mundo. Será que ele pode corresponder às expectativas tão altas? Para a maioria dos espectadores, a resposta será sim”, considerou o texto da BBC. “De um modo geral, ‘Sem Tempo para Morrer’ faz exatamente o que foi planejado, que é encerrar a era Craig com enorme ambição e autoconfiança”.

“Este é um filme de Bond que cumpre devidamente todos os requisitos – mas, de maneira brilhante, muitas vezes nem parece um filme de Bond. Para um 007 que se esforçou em trazer humanidade a um herói maior do que a vida, é um final adequado para a era Craig”, descreveu a revista Empire.

“Baseia-se em tudo o que os filmes recentes de Bond estabeleceram, de uma forma que as encarnações anteriores geralmente não o faziam”, reparou a rede CNN. “Em termos de situações básicas de Bond, o filme oferece algumas perseguições e sequências de ação impressionantes, com Ana de Armas (que já tinha trabalho com Craig em ‘Entre Facas e Segredos’) adicionando uma dose de empoderamento feminino durante uma missão que leva Bond a Cuba”.

Por sinal, diversos críticos reclamaram que um dos pontos negativos do filme é ter personagens demais e dar pouco tempo para Ana de Armas (“Blade Runner 2049”) nas telas. “Uma pena que ela não tenha mais cenas”, apontou a BBC.

Além da atriz cubana, a britânica Lashana Lynch (“Capitã Marvel”) também recebeu muitos elogios. Para o jornal The Independent, sua personagem, que é apresentada como uma nova agente 007, deveria estrelar o próximo filme: “Uma força carismática que deixa sem sentido procurar por um novo Bond quando o futuro da franquia está claramente ali presente”.

Já Craig se despede como um dos melhores Bonds de todos os tempos.

“Em sua apresentação final, Craig nos convence de que Bond tem mais substância humana do que seus predecessores”, elogiou o site Screen Daily. “O filme certamente faz algo que era necessário, tentando manter a emoção da franquia ao mesmo tempo em que revisa seu legado, muitas vezes assustadoramente casual, sexista e racista, para não dizer chauvinista”, continua o texto, que entretanto lamenta que o final tenha “pouca alegria”.

A reação mais curiosa veio da crítica do The Independent, que considerou que só uma coisa estraga “Sem Tempo para Morrer”: ser um filme de James Bond.

“Cary Joji Fukunaga fez um filme de ação sensacional – é uma pena que seja um filme de Bond. Apesar de todos os atrasos, rumores, os meses passados ​​construindo a despedida final de Daniel Craig no papel, o que é mais decepcionante no filme é o quão estranhamente anticlimática a coisa toda parece. Isto é, até uma reverência no terceiro ato, que pelo menos permite que Craig deixe a franquia não apenas com uma boa dose de dignidade, mas um lembrete a todos nós de que ele deu uma alma a Bond”, imprimou o jornal britânico.

Primeiro filme de “007” comandado por um diretor americano, o citado Cary Joji Fukunaga (“Beasts of No Nation”), o filme superou vários adiamentos para finalmente chegar aos cinemas nesta quinta (30/9) no Brasil, uma semana antes do lançamento nos EUA.