Instagram/Will Smith

Will Smith tira filme da Georgia em protesto contra lei que dificulta votos

O astro Will Smith (“Bad Boys para Sempre”) e o diretor Antoine Fuqua (“O Protetor”) decidiram tirar seu próximo filme, o drama sobre escravidão “Emancipação”, da Geórgia, após políticos deste estado americano aprovarem uma lei que, segundo seus opositores, visa dificultar e reduzir a participação de comunidades negras no processo eleitoral do país.

Descontentes com a derrota do Presidente Donald Trump na Georgia, políticos do Partido Republicano mudaram a legislação eleitoral, passando a impor requisitos de identificação do eleitor, além de diminuir a votação antecipada, limitar o número de urnas e, ao mesmo tempo, proibir voluntários de fornecerem garrafas de água aos eleitores que podem ter que esperar na fila por horas.

Trump alegou falsamente que perdeu nesse estado por fraude eleitoral, após uma participação sem precedentes de eleitores negros, por meio de votação antecipada e do voto por correio em meio a pandemia de coronavírus.

“Não podemos, em sã consciência, fornecer apoio financeiro a um governo que promulga leis eleitorais regressivas destinadas a restringir o acesso dos eleitores”, disseram Smith e Fuqua em comunicado à imprensa. “Infelizmente, nos sentimos obrigados a realocar nosso trabalho de produção cinematográfica da Geórgia para outro estado”, anunciaram.

A Geórgia é considerado um importante centro de produção para a indústria cinematográfica americana, graças a leis de incentivo que atraíram diversas produções ao estado. Mas a nova legislação foi recebida com muito descontentamento. Outras produções hollywoodianas estudam tirar suas filmagens da região, enquanto empresas comerciais, organizações esportivas e de entretenimento realizam boicotes contra a controversa decisão.

“Emancipação” é uma produção da Apple, baseada na história real do escravo Peter, que ficou famoso no século 19 após fugir de seu “dono” e torturador e posar para uma foto expondo as cicatrizes de crueldade nas suas costas – marcas de um chicoteamento que quase o matou.

A foto se tornou conhecida como “Scourged Back” e “viralizou” após ser publicada em uma série de veículos de imprensa em 1863, criando um impacto similar ao do assassinato de George Floyd em sua época. Estudiosos apontam a foto como uma das influências do crescimento do movimento abolicionista, que levou ao fim da escravidão nos EUA. De fato, pouco depois de sua publicação, países europeus anunciaram que deixariam de comprar algodão dos estados do sul dos EUA, onde a escravidão ainda era praticada.

O ato de protesto dos responsáveis pelo filme em 2021 ecoa esse passado histórico.