Divulgação/Globoplay

Predestinado: Gabigol tentou impedir último episódio de sua série documental

A empresa Gabigol Esportes Ltda, que cuida da imagem do jogador de futebol Gabigol, do Flamengo, tentou impedir a exibição do último episódio da série documental “Predestinado”, que conta a história do jogador. Liberado neste domingo (22/3) aos assinantes da Globoplay, o capítulo foi reeditado para incluir a detenção do atleta em um cassino clandestino em São Paulo, furando o toque de recolher contra a covid-19 na madrugada do último domingo.

A equipe de Gabigol entrou com um pedido de liminar na Justiça do Rio de Janeiro para barrar a veiculação das imagens comprometedoras do jogador, com a justificativa de que a Globo não respeitou o contrato. Eles alegam que existem cláusulas que obrigam a emissora a consultar o jogador em caso de qualquer edição. Mas a equipe só teria sido informada das mudanças na véspera e, ao entrar em contato com a emissora, optou pela via judicial.

A polêmica se deve ao fato de a Globo ter prometido uma homenagem ao atacante nas negociações para a produção do documentário. Por isso, Gabigol recebeu a equipe do Globoplay na casa do seu empresário, em São Paulo, e deu uma entrevista exclusiva sobre a carreira e sobre o oitavo título nacional do Flamengo.

“Não resta qualquer dúvida que a aceitação dos autores acerca da elaboração do documentário está estritamente atrelada ao fato de que este foi apresentado e descrito pela ré como uma homenagem ao atleta Gabriel Barbosa e como de exaltação à sua carreira, sendo certo que a pretensão da ré se mostra totalmente contrária à tal premissa, configurando-se em exposição midiática de assunto estritamente relacionada à vida pessoal do atleta e extremamente delicado”, diz trecho do documento, que acabou vindo à tona e publicado pela imprensa esportiva.

Além de tentar impedir a nova versão do conteúdo, a equipe do jogador entrou com o pedido de indenização de R$ 2 milhões caso o Globoplay descumprisse a decisão.

A juíza de plantão da 14ª Câmara Cível do Rio de Janeiro negou o pedido do jogador, alegando que as notícias já eram públicas.

Em sua decisão, a magistrada citou até uma entrevista que Gabigol deu ao “Fantástico”, da TV Globo, na semana passada, falando sobre o assunto: “Ressalta-se que o próprio jogador do Flamengo, em entrevista concedida ao programa ‘Fantástico’, disse estar arrependido, deixando evidente que o fato ocorrido no dia 13 de março é público e notório”.

O episódio que encerra a série documental se chama “Um Ano em Dois” e tem 33 minutos de duração. O caso do cassino é abordado em quatro minutos e 21 segundos – com depoimentos, imagens sobre o assunto e a entrevista concedida pelo atacante para falar do caso para a própria Globo.

Em nota à imprensa, a emissora disse que documentário seguiu princípios editoriais.

“‘Predestinado’ é um mergulho na história e nas origens do Gabriel Barbosa, o Gabigol. O documentário em formato de seriado retrata a vida e a carreira do jogador em ordem cronológica. O quarto e último episódio da série trata dos desafios de uma temporada marcada por três mudanças de treinadores, uma lesão séria, uma pandemia, e que terminou com mais um troféu nacional na galeria rubro-negra. Dos 33 minutos e 16 segundos de duração do episódio, a ida de Gabigol ao cassino é contada em três minutos e trinta segundos, dos quais 50 segundos reproduzem trechos da entrevista com explicações do jogador ao ‘Fantástico’ da última semana. Como se sabe, o caso teve grande repercussão e sua abordagem em uma obra documental com características de entretenimento e jornalismo está em linha com os princípios editoriais do Grupo Globo. Vista em seu conjunto, a série deu voz a Gabigol e sua família para contarem a história do jogador e a abordagem pontual e proporcional da ida ao cassino em nada elimina o caráter de homenagem a um ídolo que conseguiu transcender o futebol e conquistar popularidade entre adultos e crianças”.

Em sua conta no Twitter, o empresário do atacante, Júnior Pedroso, afirmou, sem citar a Globo, que continuam “massacrando” o atleta.

“O Gabriel errou ao quebrar o lockdown? Errou! Reconheceu o erro? Sim! Deu a cara publicamente para a emissora que mais alfinetou e se posicionou com a personalidade que é peculiar! Mesmo assim, continuaram massacrando-o como se ele fosse o grande culpado pelo caos causado pela covid no Brasil”, escreveu Pedroso.

O pai de Gabigol, Valdemir Silva Almeida, foi mais incisivo sobre o assunto. Bastante chateado, ele disse que abriu a porta da sua casa para traidores.

“Não posso me calar perante algumas injustiças que têm sido cometidas. Repito, errou, foi repreendido e pagará legalmente pelo que fez”, afirmou em comunicado. “Mas há pessoas agindo de má fé, quebrando acordos, usando da imagem dele para se promover e ganhar audiência. Abri a porta da minha casa para um projeto grandioso, que nos trouxe o propósito de homenagear o Gabriel. Foram meses, semanas, horas dedicadas a isso, sempre muito solícito e presente. Nos emocionamos a cada episódio, minha esposa chorou, minha filha, a cada história que passamos juntos, que batalhamos para chegar até aqui. Mas fomos enganados, fomos traídos por conta de audiência e isso não podemos aceitar”, desabafou.