Instagram/Evan Rachel Wood

Evan Rachel Wood revela ameaças por denunciar Marilyn Manson

A atriz Evan Rachel Wood revelou neste sábado (6/2) ter recebido ameaças de vazamento de fotos indiscretas que a registrariam drogada e desinibida quando era menor e namorava Marilyn Manson. As fotos estariam na posse de Leslee Lane, que lidera um fã-clube do cantor, e seriam vazadas assim que Lindsay Elizabeth Warner, esposa de Manson, desse o sinal.

Ela explicou em seu Stories, do Instagram, que as ameaças surgiram quando decidiu que tornaria público os abusos que sofreu durante seu relacionamento com o cantor.

“Em 19 de dezembro, tive que registrar um boletim de ocorrência policial depois de ser alertada sobre ameaças feitas por Leslee Lane e Lindsay Elizabeth Warner ao conspirarem para liberar fotos minhas quando eu era menor, depois de receber grandes quantidades de drogas e álcool, depois que Brian [nome real do cantor] se apresentou no Halloween em Las Vegas, para ‘arruinar minha carreira’ e ‘me calar'”, escreveu a atriz.

Wood incluiu uma troca de mensagens que flagra a confissão do plano e uma cópia do boletim de ocorrência no post, para comprovar que não estava inventando nada.

A revelação das fotos comprometedoras seria a “retaliação” que ela mencionou em seu post original, publicado na segunda (1/2). Quando chamou Manson de “abusador”, ela explicou: “Eu cansei de viver com medo da retaliação, difamação ou de chantagens”. E completou: “Eu estou aqui para expor esse homem perigoso e denunciar as indústrias que o permitem agir, antes que ele arruíne outras vidas. Eu estou ao lado das muitas vítimas que não vão mais se silenciar”.

Além de tornar pública a ameaça, a estrela de “Westworld” aproveitou para fazer novas acusações, descrevendo o antissemitismo de Manson. “Fui chamada de ‘judia’ de maneira depreciativa”, escreveu. “Ele desenhava suásticas na minha mesa de cabeceira quando estava com raiva de mim”.

“Minha mãe é judia e fui criada na religião”, continuou Wood. “Porque ela se converteu e não era de ascendência judia, ele dizia coisas como, ‘assim é melhor’ porque eu não era ‘judia de sangue'”.

A atriz acrescentou que Manson “não tinha essas tatuagens quando começamos a namorar”, descrevendo símbolos nazistas que ele acrescentou no corpo.

Ela ainda explicou que o abuso que sofreu não era parte de nenhum jogo de “sexo ‘pervertido'”. “Brian [nome real do cantor] e eu nunca tivemos um relacionamento ‘BDSM'”, disse ela em outra postagem. “Nós nem mesmo fizemos sexo ‘pervertido’. Nós não tínhamos relações sexuais quando eu era torturada, nem antes nem depois”.

Mas acrescentou: “sofri lavagem cerebral e fui manipulada para me tornar submissa”.

Evan Rachel Wood também compartilhou histórias semelhantes da fotógrafa Ashley Walters, da modelo Sarah McNeilly, de uma artista que se identificou apenas como Gabriella, além da estudante Ashley Morgan.

blank

blank

blank

blank