Divulgação/Imovision

Cinema brasileiro fica fora do Oscar 2021

O Brasil ficou mais uma vez fora da disputa do Oscar de Melhor Filme Internacional. O país concorria a uma vaga com o documentário “Babenco: Alguém tem que Ouvir o Coração e Dizer: Parou”, de Barbara Paz, mas não conseguiu passar pela fase eliminatória.

Nesta terça (8/1), a Academia de Artes e Ciências Cinematográficas dos EUA divulgou várias listas contendo semi-finalistas em algumas categorias do Oscar 2021, e o filme escolhido pela Academia Brasileira de Cinema (ABC) para representar o país não apareceu entre os 15 que continuam no páreo.

A última vez que uma produção brasileira foi indicada à Melhor Filme Internacional aconteceu em 1999, quando a categoria ainda se chamava Melhor Filme em Língua Estrangeira. O feito coube a “Central do Brasil”, que também obteve uma indicação a Fernanda Montenegro como Melhor Atriz. O longa brasileiro perdeu para o italiano “A Vida É Bela”, enquanto Gwyneth Paltrow tirou – controvertidamente – o Oscar de Fernanda com “Shakespeare Apaixonado”.

Além da vaga mais cobiçada, a obra de Barbara Paz também tinha esperança de entrar na disputa de Melhor Documentário, após o bom desempenho de “Democracia em Vertigem”, de Petra Costa, no ano passado. Mas isso também não aconteceu.

O cinema nacional tampouco conseguiu as indicações que buscava nas categorias de Curta Animado, onde alimentava sonhos com “Umbrella”, de Helena Hilario e Mario Pece, e de Curta Documental, na qual buscava encaixar “Carne”, da diretora Camila Kater.

Nenhum desses filmes contou com apoio do governo brasileiro para conseguir suas indicações, graças à paralisação da Ancine e a uma visão ideológica anti-Cultura.

Agora, a única chance do país ser representado no Oscar 2021 se concentra em “Bacurau”, com chances remotas nas categorias técnicas.

Embora não tenha sido indicado pela ABC ao Oscar Internacional, onde teria chances maiores, o thriller de Juliano Dornelles e Kleber Mendonça Filho passou a ser considerado elegível para categorias técnicas após seu lançamento nos EUA no ano passado.

O feito de um filme brasileiro disputar prêmios com os lançamentos americanos já aconteceu antes com o fenômeno “Cidade de Deus”, que apesar de barrado na categoria de Melhor Filme em Língua Estrangeira em 2003, concorreu a nada menos que quatro Oscars em 2004: Melhor Fotografia, Edição, Roteiro e Direção.

Os 15 filmes que ainda estão na disputa das cinco indicações de Melhor Filme Internacional são:

“Quo Vadis, Aida?” – Bósnia e Herzegovina
“El Agente Topo” – Chile
“Charlatan” – República Tcheca
“Druk – Mais Uma Rodada” – Dinamarca
“Nós Duas” – França
“La Llorona” – Guatemala
“Shaonian de ni” – Hong Kong
“Crianças do Sol” – Irã
“La Nuit des Rois” – Costa do Marfim
“Ya No Estoy Aquí” – México
“Håp” – Noruega
“Colectiv” – Romênia
“Dorogie Tovarishchi” – Rússia
“Yangguang Puzhao” – Taiwan,
“The Man Who Sold His Skin” – Tunísia

E os 15 filmes na disputa de Melhor Documentário são:

“Até o Fim: A Luta pela Democracia”
“Boys State”
“Collective”
“Crip Camp: Revolução pela Inclusão”
“As Mortes de Dick Johnson”
“Gunda”
“MLK/FBI”
“El Agente Topo”
“Professor Polvo”
“Notturno”
“The Painter and the Thief”
“76 Days”
“Time”
“The Truffle Hunters”
“Bem-vindo à Chechênia”