Divulgação/Amazon

Continuação insana de Borat ganha trailer legendado

A Amazon divulgou dois pôsteres e o primeiro trailer legendado da continuação de “Borat”, que recebeu o título nacional de “Borat: Fita de Cinema Seguinte” (Borat Subsequent Moviefilm).

A prévia mostra a volta do repórter mais conhecido do Cazaquistão aos EUA, após trazer vergonha a seu país. Mas desta vez ele não vem sozinho. Borat tem uma nova missão insana: dar a filha de presente para alguém do “trono” americano. E uma das cenas mostra o personagem invadindo um evento do Partido Republicano, disfarçado de Donald Trump, para dar a filha (a búlgara Maria Bakalova) para “Michael Pennis” – na verdade, Mike Pence, o atual vice-presidente dos EUA.

O disfarce é um dos muitos usados pelo comediante Sacha Baron Cohen na continuação. O vídeo explica que Borat se tornou uma celebridade e não pode ir a todos os lugares sem ser reconhecido. Mesmo assim, ele consegue se infiltrar entre integrantes da direita americana para registrar os pensamentos – ou a falta de pensamentos – dessa demografia em particular.

Lançado em 2006, o primeiro “Borat” se valeu do fato de Cohen não ser tão conhecido para se tornar o filme de pegadinha mais eficaz e engraçado de todos os tempos. Encarnando Borat Sagdiyev, um jornalista desajeitado da rede estatal de TV do Cazaquistão, ele desfilou seu inglês ruim e vários preconceitos com a desculpa de fazer um documentário sobre a vida nos EUA. E conseguiu convencer várias pessoas de que Borat era uma pessoa real, registrando suas reações a situações tão inesperadas quanto ridículas.

Depois disso, o comediante usou tática semelhante para enganar conservadores famosos em seu programa de TV “Who’s America”, exibido nos EUA em 2018, sempre fingindo ser um personagem de extrema direita.

“Borat: Fita de Cinema Seguinte” surge como uma mistura das duas abordagens, em que Cohen aparece como Borat e como Borat disfarçado de conservador radical, que convence americanos comuns a mostrarem o que tem de pior. Entre as visitas que registra, desta vez estão um “Centro de Saúde da Mulher”, que apesar do nome não é uma clínica que realiza abortos, mas o oposto disso, e locais para “quarentenas” de homens de direita que aparentemente não viram o filme original.

A estreia está marcada para 23 de outubro.