Divulgação/Netflix

Netflix transforma novo filme de zumbis de Zack Snyder em franquia

Zack Snyder vai ampliar seu exército zumbi na Netflix. A plataforma anunciou que o novo filme do diretor de “Liga da Justiça”, “Army of the Dead”, ganhará dois derivados: um prólogo e uma animação.

“Estou incrivelmente animado em fazer uma parceria com a Netflix de novo e vamos expandir o universo de ‘Army of the Dead’ com um prólogo internacional, assim como explorar suas dinâmicas visuais do mundo da animação”, disse o cineasta em comunicado. “Tem sido uma grande colaboração e estamos entusiasmados com o fato de a Netflix ver isso como uma franquia tão grande quanto nós.”

Os novos projetos serão escritos por Shay Hatten, um dos roteiristas de “Army of the Dead” – e da franquia “John Wick”.

Ainda sem título, o prólogo já definiu sua trama. Ele será estrelado e dirigido por Matthias Schweighöfer (“Kursk – A Última Missão”), e a história seguirá seu personagem em “Army of the Dead”, Ludwig Dieter, com locações na Alemanha.

Enquanto isso, “Army of the Dead” nem sequer tem previsão de estreia. O longa teve que passar por refilmagens recentes, após Snyder decidir trocar um dos atores do elenco, após toda a filmagem original ser encerrada. Chris D’Elia (“Undateable”), acusado de assediar sexualmente garotas menores de idade, teve sua participação substituída pela comediante Tig Notaro (“Star Trek: Discovery”).

O resto do elenco do filme destaca Dave Bautista (“Guardiões da Galáxia”), Omari Hardwick (“Power”), Hiroyuki Sanada (“Wolverine: Imortal”), Raul Castillo (“Atypical”), Nora Arnezeder (“Zoo”), Ella Purnell (“Sweetbitter”), Garrett Dillahunt (“Fear the Walking Dead”), Ana de la Reguera (“Goliath”) e a dublê Samantha Win (“Mulher-Maravilha”).

“Army of the Dead” representa um retorno às origens para Zack Snyder, que volta ao apocalipse zumbi 15 anos após o longa-metragem que inaugurou sua carreira, “Madrugada dos Mortos” (2004).

A trama é uma espécie de “Onze Zumbis e um Segredo”, já que se passa em Las Vegas e acompanha um homem que reúne um grupo de mercenários para realizar o maior assalto já tentado. O detalhe é que, para chegar nos milhões, eles precisarão invadir uma zona de quarentena e se arriscar em meio a um surto de zumbis.

O projeto estava acumulando poeira desde 2007 na Warner, onde deveria ter sido dirigido por Snyder logo após “300” (2006).

Sem esquecê-lo, o diretor conseguiu convencer a Netflix a bancar sua produção, orçada, segundo o site The Hollywood Reporter, em respeitáveis US$ 90 milhões – orçamento de filme de super-heróis e não de zumbis.

A história é do próprio Snyder, mas foi roteirizada por Shay Hatten e Joby Harold, do infame “Rei Arthur: A Lenda da Espada” (2017). Além de dirigir, Snyder também assina a produção com sua esposa, Deborah Snyder.