Divulgação/Netflix

Zack Snyder vai refilmar Army of the Dead para trocar ator envolvido em polêmica

O novo filme de zumbis do diretor Zack Snyder (“Liga da Justiça”) vai passar por refilmagens para substituir um intérprete de seu elenco.

“Army of the Dead” tinha encerrado as filmagens no ano passado e já estava em pós-produção avançada, mas agora o diretor voltará ao set para trocar Chris D’Elia (“Undateable”). Acusado de assediar sexualmente garotas menores de idade, ele terá sua participação substituída pela comediante Tig Notaro.

A substituição contará com uma combinação de técnicas, desde refilmagens de cenas opostas a um parceiro de atuação até o uso de efeitos especiais para inserir Notaro digitalmente no lugar de D’Elia.

As alegações de assédio surgiram em junho e as negações do ator aparentemente não convenceram. Ele foi dispensado por sua agência e os planos para um programa de humor foram descartados pela Netflix.

Sua substituta, por sua vez, é uma comediante assumidamente lésbica, que enfrentou um câncer em público, estrelou sua própria atração na Amazon, “One Mississippi” (2015-2017), e ainda participa da série “Star Trek: Discovery”.

O resto do elenco do filme destaca Dave Bautista (“Guardiões da Galáxia”), Omari Hardwick (“Power”), Hiroyuki Sanada (“Wolverine: Imortal”), Raul Castillo (“Atypical”), Nora Arnezeder (“Zoo”), Matthias Schweighöfer (“Viagem Sem Volta”), Ella Purnell (“Sweetbitter”), Garrett Dillahunt (“Fear the Walking Dead”), Ana de la Reguera (“Goliath”) e a dublê Samantha Win (“Mulher-Maravilha”).

Desenvolvido para a Netflix, “Army of the Dead” representa um retorno às origens para Zack Snyder, que volta ao apocalipse zumbi 15 anos após o longa-metragem que inaugurou sua carreira, “Madrugada dos Mortos” (2004).

A trama é uma espécie de “Onze Zumbis e um Segredo”, já que se passa em Las Vegas e acompanha um homem que reúne um grupo de mercenários para realizar o maior assalto já tentado. O detalhe é que, para chegar nos milhões, eles precisarão invadir uma zona de quarentena e se arriscar em meio a um surto de zumbis.

O projeto estava acumulando poeira desde 2007 na Warner, onde deveria ter sido dirigido por Snyder logo após “300” (2006).

Sem esquecê-lo, o diretor conseguiu convencer a Netflix a bancar sua produção, orçada, segundo o site The Hollywood Reporter, em respeitáveis US$ 90 milhões – orçamento de filme de super-heróis e não de zumbis.

A história é do próprio Snyder, mas foi roteirizada por Joby Harold, do infame “Rei Arthur: A Lenda da Espada” (2017). Além de dirigir, Snyder também assina a produção com sua esposa, Deborah Snyder.