Robin Williams não conseguia decorar falas de seu último filme

O diretor Shawn Levy revelou que Robin Williams estava emocionalmente “desmoronando” e com problemas para decorar falas durante as filmagens de seu último filme, “Uma Noite no Museu 3: O Segredo da Tumba” de 2014.

Levy teve aval da esposa de Williams para falar francamente sobre o estado do ator num depoimento para o documentário “Robin’s Wish”, sobre os últimos dias do comediante, que tirou a própria vida antes do lançamento do filme.

“Eu diria que, com um mês de filmagem, estava claro para mim — estava claro para todos nós naquele set — que algo estava acontecendo com Robin”, diz Levy no documentário. “Vimos que Robin estava lutando de uma maneira que nunca tinha feito para lembrar as falas e combinar as palavras certas com a performance”, contou.

“Quando Robin me ligava às 10 da noite, às 2 da manhã, às 4 da manhã, dizendo: ‘É utilizável? Alguma desta pode ser utilizada? Eu sou uma merda? O que está acontecendo?’, eu o tranquilizava. ‘Você ainda é você. Eu sei disso. O mundo sabe disso. Você só precisa se lembrar disso’.”

“Minha fé nele nunca foi embora, mas vi sua moral desmoronar. Eu vi um cara que não era ele mesmo e isso era imperdoável”, completou Levy.

Durante a filmagem, Williams lutava contra o avanço da demência por corpos de Lewy, uma doença degenerativa que afetou suas funções cognitivas e motoras. Ele nunca falou sobre o problema, mas os sintomas se tornaram tão graves que o levaram a tirar a própria vida em 2014.

Dirigido por Tylor Norwood (“The United States of Detroit”), o documentário “Robin’s Wish” é produzido pela viúva do ator, Susan Schneider-Williams, e conta pela primeira vez como foi o declínio da saúde de Williams, com depoimentos de amigos, colegas e diretores que trabalharam com o comediante, além de cenas de filmes e imagens raras da família.

A estreia está marcada para 1º de setembro nos EUA, mas ainda não há previsão de lançamento no Brasil.

Veja abaixo o trailer da produção.