Carlos Vereza rompe com Bolsonaro: “Não dá mais”

O ator Carlos Vereza, que chegou a ser cotado para a secretaria de Cultura, rompeu publicamente com o presidente Jair Bolsonaro.

Um dos maiores defensores de Bolsonaro na classe artística, Vereza fez críticas à postura do presidente em relação ao ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, e anunciou que “tirou o time”, abandonado Bolsonaro.

Numa série de postagens, o ator defendeu a atuação de Mandetta e a política de isolamento social, e rebateu o presidente, que prega o contrário, acusando-o de tentar “fritar” o ministro.

A quarentena defendida pela ministro vem sendo constantemente criticada por Bolsonaro, que ontem, em entrevista à radio Jovem Pan, disse que vem “se bicando” com Mandetta, afirmando que falta “humildade” ao auxiliar.

Vereza escreveu nas redes sociais que “o número de mortes no país não está maior porque as pessoas estão se preservando em casa”. E acrescentou: “Obrigado Mandettta”.

Em seguida, ele repreendeu o presidente. “A mesma fritura de sempre: Bolsonaro agitando seus apoiadores radicais preparando o ambiente para demitir Mandetta”.

Ele detalhou como o presidente abusa deste expediente: “Essa estratégia de vitimização de Bolsonaro esgotou-se pela repetição, tornou-se previsível, e portanto cansativa. Sempre elege um inimigo, seja real ou imaginário. Assim mantém seus radicais aficionados em constante tensão como se estivesse em clima de campanha permanente. E, ai de quem, em sua equipe, comece a destacar-se pela competência: é fritado e expelido sem remissão; e ele sempre vitimizado, ‘traído’ por aqueles em ‘quem tanto confiou'”.

Em outro post, o ator tentou justificar seu apoio ao governo, apenas para anunciar o rompimento: “Estava tentando defender Bolsonaro, não tanto por ele, mas pela normalidade das instituições. Mas ele desautorizar publicamente o ministro da saúde por ciúmes, não dá mais: tirei o time”.

Ele também anunciou que vai encerrar suas postagens abertas ao público na rede social.

Na ocasião da posse de Regina Duarte na secretaria da Cultura, Vereza disse que tinha sido convidado pela ex-atriz a integrar o governo. “Fui convidado. Vou dar uma pensada. Eu não sei para qual cargo, acho que é para falar besteira”.

Já Regina continua endossando o discurso do presidente em suas redes. Além de fazer postagens sobre os riscos da quarentena para a economia, marca dos discursos de Bolsonaro contra o isolamento social, ela também postou um meme de apoio ao presidente e, nesta sexta (3/4), publicou uma mensagem conclamando “jejum nacional” no domingo (5/4) contra o coronavírus. Curiosamente, a publicação ficou pouco tempo no ar, sendo removida após alguns minutos.