Retrospectiva: As Melhores Séries de 2019

Nunca se fez tantas séries como em 2019. O mais impressionante nem é a quantidade, mas a qualidade do material. A disputa por conteúdo premium, alimentada pela consagração do padrão HBO, fez com que o investimento nas produções atingisse níveis cinematográficos. A temporada final de “Game of Thrones” foi uma coleção de filmes. E quem apostava que a HBO sentiria falta dessa série, pode ter se surpreendido com a rapidez com que o canal superou sua ausência com “Chernobyl”, “Euphoria”, “Watchmen” e “Succession”, programas completamente diferentes entre si, mas realizados com o mesmo apuro que alimenta a inveja dos rivais.

Não foi por acaso que a WarnerMedia escolheu o nome HBO Max para seu vindouro serviço de streaming. Os lançamentos da Disney+ e da Apple TV+ reforçam que as novas plataformas decidiram abordar o streaming como uma variação da TV paga premium. Caríssimas, “The Mandalorian”, da Disney, e “See”, da Apple, buscam o impacto das grandes produções de cinema – ou de “Game of Thrones” – , assim como “The Witcher” e “Perdidos no Espaço”, na Netflix, “Britannia” na Amazon, e outras.

Enquanto essas produções buscam esticar os limites épicos das telas pequenas, projetos de sensibilidade indie também cumprem papel importante, revolucionando as comédias. Produções como “Fleabag”, na Amazon, e “Ramy”, infelizmente inédita no Brasil, demonstram que textos adultos e refinados estão tomando o lugar das piadas fáceis. Ainda há produções feitas para quem não quer pensar. Mas são cada vez mais divertidas as séries que buscam risos com maior ambição.

Ainda que muitas das produções de 2019 não tenham chegado aos canais nacionais, a maioria encontrou distribuição, graças ao aumento de opções provenientes da guerra dos streamings. Apple TV+ e Starz Play foram as principais novidades do mercado, juntando-se à Netflix, Amazon e uma ousada Globoplay, que, além de material próprio, também apostou fortemente na oferta de séries internacionais.

Mas este cenário de crescimento pode enfrentar turbulência no Brasil em 2020. A Disney+ não tem previsão de estreia no país e a HBO Max considera friamente nem lançar sua plataforma por aqui.

No caso da Disney+, o problema é o CADE (Conselho Administrativo de Defesa Econômica), que pretende rever a compra da Fox pela Disney. O órgão foi uma das últimas entidades governamentais no mundo a aprovar a transação. Em relação à HBO Max, o entrave é a Anatel (Agência Nacional de Telecomunicações), que tem posição contrária à compra da Warner pela AT&T, em função das restrições à propriedade cruzada existentes no Brasil. O que acontece é que a WarnerMedia é controladora dos canais Turner, Cartoon, Warner e HBO e a AT&T é controladora da Sky, segunda maior operadora de TV paga brasileira, e é proibido no país que empresas de programação atuem como operadoras e vice-versa.

As leis brasileiras foram ultrapassadas pelas fusões mundiais de conglomerados, fomentadas como estratégia de negócios para priorizar o streaming. E, em vez de avançar essa discussão, o Congresso programou votações de projetos de lei para taxar esses serviços – o que, estrategicamente, deveria ser discutido após a chegada deles no pais, não antes. Além dos citados Disney+ e HBO Max, o Brasil poderia receber em breve os serviços Peacock, Hulu e CBS All Access.

Esta globalização de conteúdo, porém, é inevitável e já gera impacto cultural, capaz de produzir um fenômeno como “La Casa de Papel”, sucesso internacional que se tornou mais referenciado no Brasil que muitas séries americanas, além de polêmicas, como a briga do governo russo com a HBO por conta de “Chernobyl”, ou protestos do governo polonês contra o Especial de Natal do Porta dos Fundos.

Outro aspecto desta explosão de conteúdo é que, quando maior a produção, mais vozes têm ganhado representação, numa democratização histórica de temas e personagens.

Uma série como “Pose”, com elenco majoritariamente transexual, é consequência direta dessa multiplicação de opções. Há 15 anos, “The L Word” era exceção. Hoje, não faltam séries com temas LGBTQ+ – e até “The L Word” ganhou revival.

Tampouco faltam séries com super-heróis negros, como “Black Lightning” e “Raising Dion”. Nem séries teen centradas em adolescentes fora da normatização branca heterossexual de antigamente, que o digam Rue, Jules e Kat de “Euphoria”.

Outro detalhe. Se é fato que a HBO influenciou a qualidade da nova geração das séries, a Netflix se tornou a principal inspiração para as narrativas do fim da década. O costume das maratonas liberou os roteiristas para criarem tramas mais complexas, como “Dark” ou “Undone”, que funcionam melhor numa sequência de episódios, e ainda eliminou o costume dos recordatórios e referências mastigadas, que ajudavam ao espectador lembrar o que aconteceu nos episódios anteriores. Quem se perder, sempre pode voltar ao episódio prévio. Eles agora estão disponíveis o tempo inteiro e não apenas quando passam na TV.

Com isso, as tramas dramáticas de estilo procedimental, que resolvem um caso (crime, paciente, cliente) por semana, acabaram restritas à TV aberta, que mantém o público mais conservador das séries. São uma espécie em extinção, diante da expansão do streaming.

A multiplicação de opções também gerou um efeito colateral negativo, ao tornar mais difícil acompanhar tantas séries. Muitas produções de qualidade acabaram perdendo chances preciosas para se tornar um novo “Breaking Bad” – série que quase foi cancelada em sua 2ª temporada por baixa audiência. A Netflix bateu recorde de cancelamentos em 2019, mas não foi a única empresa. O canal pago Starz fez o absurdo de cancelar “Counterpart”, série com 100% de aprovação no Rotten Tomatoes em suas duas temporadas produzidas. Ao menos, a trama teve fim, ao contrário das também ótimas “The OA”, “Deadly Class” e outras.

As listas abaixo, compiladas pelo editor da Pipoca Moderna, levam em conta essas peculiaridades do mercado. Além do Top 10 primordial, foram relacionados diversos Top 5 em diferentes categorias, que não se limitam às divisões tradicionais de gênero. Com exceções de duas listas, a avaliação considerou apenas séries disponibilizadas no Brasil em 2019, tanto na programação de TV quanto em streaming. Confira os resultados abaixo.

10 MELHORES SÉRIES DE 2019

blank

1. Chernobyl | HBO
2. Fleabag | Amazon
3. Succession | HBO
4. Inacreditável (Unbelievable) | Netflix
5. Pose | Fox Play
6. Euphoria | HBO
7. Dark | Netflix
8. Watchmen | HBO
9. Undone | Amazon
10. Killing Eve | Globoplay

 
 

5 MELHORES SÉRIES BRASILEIRAS DE 2019

blank

 
 
 

1. Sob Pressão | Globo
2. 3% | Netflix
3. Segunda Chamada | Globo
4. Sintonia | Netflix
5. Irmãos Freitas | Space

 
 
 
 
 
 

5 MELHORES SÉRIES ESTREANTES DE 2019

blank

 
 
 

1. Euphoria | HBO
2. Watchmen | HBO
3. Sex Education | Netflix
4. Undone | Amazon
5. Dickinson | Apple TV+

 
 
 
 
 

5 MELHORES MINISSÉRIES DE 2019

blank

 
 
 

1. Chernobyl | HBO
2. Inacreditável (Unbelievable) | Netflix
3. Olhos que Condenam (When They See Us) | NETFLIX
4. Years and Years | HBO
5. Fosse/Verdon | Fox Play

 
 
 
 

5 MELHORES SÉRIES DE DRAMA DE 2019

blank

 
 
 

1. Succession | HBO
2. Euphoria | HBO
3. Pose | Fox Play
4. Billions | NETFLIX
5. Orange Is the New Black | NETFLIX

 
 
 
 
 

5 MELHORES SÉRIES DE COMÉDIA DE 2019

blank

 
 
 

1. Fleabag | Amazon
2. Castrophe | Amazon
3. Sex Education | NETFLIX
4. Boneca Russa (Russian Doll) | NETFLIX
5. Derry Girls | NETFLIX

 
 
 
 
 

5 MELHORES SÉRIES CRIMINAIS DE 2019

blank

 
 
 

1. Mindhunter | Netflix
2. Peaky Blinders | Netflix
3. Trapped | Netflix
4. Bosch | Amazon
5. True Detective | HBO

 
 
 
 
 

5 MELHORES SÉRIES DE AÇÃO DE 2019

blank

 
 
 

1. Killing Eve | Globoplay
2. Wayne | YouTube
3. Jack Ryan | Amazon
4. Informer | Amazon
5. Treadstone | Amazon

 
 
 
 
 

5 MELHORES SÉRIES DE QUADRINHOS DE 2019

blank

 
 
 

1. Watchmen | HBO
2. The Boys | Amazon
3. The Umbrella Academy | Netflix
4. Arrow | Warner
5. Deadly Class | Globoplay

 
 
 
 
 
 

5 MELHORES SÉRIES DE FANTASIA DE 2019

blank

 
 
 

1. Game of Thrones | HBO
2. The Witcher | Netflix
3. His Dark Materials | HBO
4. Britannia | Fox Play
5. The Magicians | Syfy

 
 
 
 
 

5 MELHORES SÉRIES SCI-FI DE 2019

blank

 
 
 

1. Dark | Netflix
2. Counterpart | Starz
3. Stranger Things | Netflix
4. Lost in Space | Netflix
5. The Expanse | Amazon

 
 
 
 
 

5 MELHORES SÉRIES DE TERROR DE 2019

blank

 
 
 

1. Marianne | Netflix
2. Evil | Globoplay
3. The Kingdom | Netflix
4. Servant | Apple TV+
5. Legacies | Warner

 
 
 
 
 

5 MELHORES SÉRIES DE ANIMAÇÃO DE 2019

blank

 
 
 

1. Undone | Amazon
2. Love, Death & Robots | Netflix
3. Tuca & Bertie | Netflix
4. Rick and Morty | Netflix
5. Big Mouth | Netflix

 
 
 
 
 

5 MELHORES SÉRIES DE ANIME DE 2019

blank

 

1. Demon Slayer | Crunchyroll
2. The Promised Neverland | Crunchyroll
3. Dororo | Amazon
4. Carole & Tuesday | Netflix
5. Blade – A Lâmina do Imortal (Blade the Immortal) | Amazon

 
 
 
 

5 MELHORES SÉRIES DOCUMENTAIS DE 2019

blank

 
 

1. Nosso Planeta | Netflix
2. História Secreta do Pop Brasileiro | Music Box Brasil
3. Bandidos na TV | Netflix
4. Eu Te Amo, Agora Morra | HBO
5. Deixando Neverland | HBO

 
 
 
 
 

5 MELHORES SÉRIES SUBESTIMADAS DE 2019

blank

 
 

1. The Deuce | HBO
2. Perdidos no Espaço | Netflix
3. Los Espookys | HBO
4. Legacies | Warner
5. Arrow | Warner

 
 
 
 
 
 

5 MELHORES SÉRIES CANCELADAS DE 2019

blank

 
 

1. Counterpart | Starz – inédita no Brasil
2. Lodge 49 | Amazon
3. Wayne | YouTube
4. The OA | Netflix
5. Deadly Class | Globoplay

 
 
 
 
 

5 MELHORES SÉRIES DE 2019 AINDA INÉDITAS NO BRASIL

blank

 
 
 

1. The Mandalorian | Disney+
2. Perpetual Grace, LTD | Epix
3. Ramy | Hulu
4. Pen15 | Hulu
5. Godfather of Harlem | Epix