Roteirista de Asas do Desejo vence o prêmio Nobel de Literatura



O austríaco Peter Handke foi o grande vencedor do prêmio Nobel de Literatura de 2019. Escritor de renome mundial, considerado “herdeiro de Goethe” pelos acadêmicos suecos responsáveis pela premiação, Handke foi saudado por uma obra “repleta de ingenuidade linguística que explora a periferia e a singularidade da experiência humana”, segundo o comunicado da premiação.

O escritor, que vive perto de Paris, disse ter ficado “surpreso” com a premiação, uma decisão que ele considerou “muito corajosa”, “após todas as polêmicas” provocadas por sua obra. Críticos de sua premiação foram mais agudos na Bósnia e no Kosovo, onde ele é visto como um admirador do ex-presidente sérvio Slobodan Milosevic e um “negacionista” dos crimes praticados durante as guerras na antiga Iugoslávia.

Com 76 anos de idade, Handke publicou mais de 80 livros desde “As Vespas”, em 1966, e é um dos autores de língua alemã mais lidos e traduzidos do mundo.

O mais interessante para o leitor da Pipoca Moderna é que ele também tem uma extensa carreira cinematográfica, tendo feito diversos trabalhos para o cinema e TV.



Entre suas obras cinematográficas mais famosas, estão diversas parcerias com o cineasta alemão Wim Wenders, que ele inaugurou com uma adaptação de um de seus livros mais conhecidos, “O Medo do Goleiro Diante do Pênalti”. Publicado em 1970, o livro virou filme em 1972, com participação do próprio Handke na criação de diálogos para o cinema.

O sucesso da produção estendeu a colaboração com Wenders, desta vez com roteiros originais escritos para as telas. Ele assinou os clássicos de Wenders “Movimento em Falso” (1975), adaptação de Goethe, e o cultuadíssimo “Asas do Desejo” (1987), que foi premiado no Festival de Cannes. Mais recentemente, teve uma peça de sua autoria adaptada por Wenders em “Os Belos Dias de Aranjuez” (2016).

Também dirigiu longas que ele próprio escreveu. Sua estreia como diretor de cinema, “Die linkshändige Frau” (1978), chegou a ser exibida no Festival de Cannes e venceu diversos prêmios do cinema alemão. O último filme que ele dirigiu, “The Absence” (1992), passou no Festival de Veneza. Entre estes, ainda comandou a adaptação de “A Doença da Morte” (em 1985), da escritora Marguerite Duras.

Este ano, o Nobel de Literatura consagrou também o vencedor de 2018, depois que a Academia Sueca adiou o anúncio no ano passado após um escândalo de agressão sexual. Assim, o anúncio do prêmio destacou dois escritores. A vencedora de 2018 foi Olga Tokarczuk, autora de dezenas de livros, mas com apenas um publicado no Brasil, “Os Vagantes”. Aos 57 anos, ela é considerada na Polônia a escritora mais talentosa de sua geração.



Marcel Plasse é jornalista, participou da geração histórica da revista de música Bizz, editou as primeiras graphic novels lançadas no Brasil, criou a revista Set de cinema, foi crítico na Folha, Estadão e Valor Econômico, escreveu na Playboy, assinou colunas na Superinteressante e DVD News, produziu discos indies e é criador e editor do site Pipoca Moderna



Back to site top
Change privacy settings