Redes de cinema dos EUA boicotam O Irlandês, que será lançado em teatro da Broadway



Martin Scorsese virou assunto nesta semana ao dizer que achava que os filmes da Marvel não eram cinema. Ironicamente, os donos das salas cinemas agora demonstram não achar que seu novo filme seja cinema. Produção da Netflix, “O Irlandês” está enfrentando um boicote das grandes redes de exibidoras dos Estados Unidos.

Com o objetivo de qualificar o longa para a disputa do Oscar 2020, a Netflix planejou um lançamento antecipado em circuito limitado em Los Angeles e Nova York, mas as redes fecharam suas portas para a iniciativa, recusando-se a ceder telas para o “inimigo”. Para o parque exibidor americano, os filmes da Netflix não são cinema porque não respeitam janela de 90 dias de exibição e são lançamentos imediatamente em streaming. Por conta disso seriam, como defende Steven Spielberg, telefilmes.

Surpreendida pela resistência, a Netflix refez seus planos e alugou um teatro da Broadway para fazer o lançamento em Nova York.

Assim, “O Irlandês” será exibido no Teatro Belasco, de 1º de novembro a 1º de dezembro, marcando a primeira projeção de um filme no local em mais de um século – exatamente 112 anos.


Para a exibição no Belasco, a Netflix vai precisar investir na instalação de equipamentos de exibição modernos no teatro e ainda seguir o horário de programação padrão da Broadway, ou seja, realizar apenas oito exibições por semana entre terça e domingo, com matinês nos finais de semana.

“Perdemos tantos teatros maravilhosos na cidade de Nova York nos últimos anos, incluindo espaços como Ziegfeld e Paris”, disse Scorsese em comunicado. “A oportunidade de recriar essa experiência singular no histórico Teatro Belasco é incrivelmente emocionante”, concluiu, vendo o lado positivo do boicote.

De acordo com a revista Variety, a Netflix também está negociando com cadeias independentes para exibir o filme, que no Brasil estreia em 27 de novembro, diretamente em streaming.



Marcel Plasse é jornalista, participou da geração histórica da revista de música Bizz, editou as primeiras graphic novels lançadas no Brasil, criou a revista Set de cinema, foi crítico na Folha, Estadão e Valor Econômico, escreveu na Playboy, assinou colunas na Superinteressante e DVD News, produziu discos indies e é criador e editor do site Pipoca Moderna



Back to site top
Change privacy settings