Estreia da 10ª temporada de The Walking Dead registra pior audiência da série



O começo da 10ª temporada de “The Walking Dead” no domingo passado (6/10) registrou a pior audiência da série nos Estados Unidos. De acordo com levantamento da consultoria Nielsen, o episódio teve um total de 4 milhões de telespectadores ao vivo, 34% menos que a estreia da temporada anterior, e 1,4 ponto de audiência qualificada.

Foi a primeira vez que um episódio de estreia ficou abaixo do público da 1ª temporada da atração, quando a trama dos zumbis ainda não era um fenômeno de popularidade – a série estreou em 2010 diante de 5,4 milhões de telespectadores nos Estados Unidos.

Antes do episódio de domingo, o capítulo com o menor índice de audiência tinha sido o penúltimo da 9ª temporada, visto por 4,15 milhões de telespectadores.

Já renovada para a 11ª temporada, “The Walking Dead” ainda é a série de maior audiência do canal. E o interesse do público pode ter sido diluído por uma estratégia do próprio canal pago AMC, que disponibilizou o capítulo de estreia em streaming com uma semana de antecedência.



De todo modo, “The Walking Dead” não foi a única série que perdeu audiência ao retornar ao ar na atual temporada de outono norte-americana. Outras séries de sucesso como “This Is Us”, “The Good Doctor” e “Young Sheldon” também apresentaram queda de 33%, 29% e 39% respectivamente entre o público adulto.

Os motivos especulados para essa queda na audiência generalizada são as diversas outras opções, que geram concorrência cada vez maior, e a possibilidade de assistir as séries por streaming.

A AMC, por sinal, vai continuar a disponibilizar os episódios de “The Walking Dead” com antecedência em streaming. Os próximos capítulos serão lançados na plataforma do canal dois dias antes da exibição na TV.

No Brasil, a série continuará a ser exibida junto da TV americana, todo o domingo pelo canal pago Fox.


Marcel Plasse é jornalista, participou da geração histórica da revista de música Bizz, editou as primeiras graphic novels lançadas no Brasil, criou a revista Set de cinema, foi crítico na Folha, Estadão e Valor Econômico, escreveu na Playboy, assinou colunas na Superinteressante e DVD News, produziu discos indies e é criador e editor do site Pipoca Moderna



Back to site top
Change privacy settings