The Good Place: Netflix disponibiliza última temporada de surpresa

A Netflix fez de novo. Dois dias após lançar a 3ª temporada de “Glitch” sem nenhuma divulgação, a plataforma começou a disponibilizar a 4ª temporada de “The Good Place” sem informar a ninguém.

O primeiro episódio foi exibido na noite de quinta-feira (26/7) na TV americana e chegou na Netflix nesta sexta, com apenas um dia de diferença. A Netflix está liberando um episódio por semana, permitindo a seus assinantes acompanhar a conclusão de forma praticamente simultânea – e sem spoilers.

Só faltou um detalhe: avisar aos assinantes. Ou melhor, a informação foi dada da seguinte forma: num listão de estreias de setembro, disponibilizado no dia 3 deste mês. Veja abaixo. Fora isso, mais nada.

A atitude reforça uma das maiores queixas dos usuários do serviço, da falta de informação sobre o conteúdo disponível no catálogo. Se o conteúdo foi produzido pela própria plataforma ou adquirido de terceiros, como é o caso de “The Good Place”, custou dinheiro. Imagina-se que o novo acerto, de lançar episódios um dia após a exibição na TV americana, tenha um custo ainda maior. Mas é como se a Netflix não se interessasse em obter audiência com esse investimento.

A plataforma acaba contando com a boa vontade da imprensa para informar a seus assinantes o que ela própria não faz questão de divulgar.

Uma das séries mais bem-avaliadas da TV aberta americana, com 96% de aprovação no Rotten Tomatoes, “The Good Place” gira em torno de Eleanor Shellstrop (Kristen Bell, de “Veronica Mars”), que chega a seu destino final após morrer, crente que foi parar no inferno. Só que, para sua surpresa, ela recebe as boas-vindas do anjo Michael (Ted Danson, de “CSI”) no “Lugar Bom”, eufemismo para o paraíso. O detalhe é que Eleanor sabe que deveria ter ido parar no “Lugar Ruim”, por tudo que aprontou na vida. E aos poucos percebe que, viver cercada por gente boazinha e fingir ser uma boa pessoa, é muito pior que o inferno. Logo, descobre que o “Lugar Bom” nada mais era que uma experiência maligna criada pelo demônio Michael, uma versão de inferno psicológico para torturar suas vítimas.

Mas esta é apenas a primeira reviravolta da série, que a cada temporada apresenta uma nova mudança brusca de situação. Uma não, várias, com uma revelação inesperada atrás da outra.

Para resumir, Eleanor se junta a outros três pecadores, vividos por William Jackson Harper (“Paterson”), Manny Jacinto (“The Romeo Section”) e a revelação Jameela Jamil, que era jornalista e DJ antes da série. Fazendo de tudo para evitar o “Lugar Ruim” tradicional, aquele com torturas e tormentos físicos, eles tentam provar que conseguiram melhorar como pessoas no “Lugar Bom” fake. E com uma ajuda surpreendente do arrependido Michael e de sua assistente (D’Arcy Carden, que também está em “Barry”), conseguem ganhar uma segunda chance para voltar à vida na Terra. Entretanto, são sabotados por demônios e descobrem que o céu foi totalmente corrompido por burocratas do inferno e, desesperados, arriscam uma nova proposta: assumir a experiência original do “Lugar Bom” de Michael para provar que todos os humanos podem se redimir.

É neste ponto que a série é retomada em sua 4ª temporada.