Divulgação/Netflix

Netflix perde US$ 17 bilhões em um dia e é processada por acionistas

A Netflix tomou um tombo financeiro na sexta-feira e ele pode ficar ainda maior, após um de seus acionistas se manifestar nesta segunda (22/7) por meio de um processo coletivo (class action) contra a empresa.

O problema foi precipitado pelo relatório financeiro do desempenho da companhia no segundo trimestre de 2019, que registrou dados bem abaixo do esperado.

Ao todo, 2,7 milhões de pessoas se juntaram à base de usuários norte-americanos do serviço de streaming no trimestre. Mas, em vez de aumento, esse número na verdade reflete queda em relação ao período passado e é praticamente metade do total previsto pela própria plataforma – 5 milhões de novas assinaturas no período.

Foi a primeira vez em oito anos que a Netflix registrou uma queda significativa de assinantes nos Estados Unidos, com cerca de 130 mil pessoas abandonando o serviço nos últimos três meses.

Esse resultado fez as ações da empresa caírem até 13%, número registrado horas depois do anúncio do relatório, levando a uma desvalorização de nada menos que US$ 17 bilhões em um único dia.

Um dos investidores da Netflix, Johan Wallerstein, decidiu processar a empresa, o CEO Reed Hastings e o CFO Spencer Neumann em nome de todos os acionistas que tomaram prejuízo com a queda das ações. Em seu processo, ele cita uma carta de 16 de abril que projetava o citado aumento de 5 milhões de novos membros no trimestre, apesar do aumento no preço da assinatura, e a garantia de crescimento e valorização da plataforma. Declarações que o advogado do acionista chama de “materialmente falsas e/ou enganosas” por esconder que a Netflix não seria capaz de obter o número prometido e até perderia assinantes americanos, mesmo tendo informações suficientes de que isso aconteceria.

O aumento no preço das assinaturas não foi o único fator que afastou os usuários. A Netflix também vem perdendo grande parte de sua biblioteca, com a decisão dos estúdios de não renovar seus acordos de exibição. Antigos provedores de conteúdo, Disney/Fox, Universal e Warner vão lançar suas próprias plataformas para concorrer com a Netflix e estão retirando seus filmes e séries do catálogo do serviço, além de deixar de negociar novos projetos.

Com isso, a Netflix ficou com poucos produtos de marcas estabelecidas, que facilitam a identificação e interesse do público – algo que a Disney+ (Disney Plus) terá de sobra em seu lançamento. Mesmo produzindo mais de 100 séries e filmes novos por ano, a empresa tem dificuldades de tornar seus produtos conhecidos. As exceções são poucas, como “Stranger Things” e “Bird Box”. O que demonstra a insensatez de sua decisão de cancelar as séries da Marvel que ainda poderia fazer, apenas para retalhar a Disney.

A própria empresa considera que seu cronograma de lançamentos do trimestre não foi tão bombástico quanto muitos fãs poderiam esperar.

É por isso que está abrindo os cofres para fechar acordos por direitos de franquias, como “As Crônicas de Nárnia” e “The Witcher”. Mas o endividamento cada vez maior também se torna preocupante com a desvalorização de seu negócio e a chegada de uma concorrência muito forte em 2020.