Sessões testes de Aves de Rapina rendem elogios e alertas para a violência do filme


O filme “Aves de Rapina” chega aos cinemas apenas no ano que vem, mas as primeiras exibições testes do filme já começaram nos Estados Unidos. Estas sessões são realizadas com público aleatório, que é convidado a ver uma produção sem saber do que se trata com a obrigação de depois preencher um questionário. As respostas são usadas para determinar ajustes na edição ou até mesmo se serão necessárias filmagens adicionais.

São raras as vezes em que o filme chega “pronto” numa sessão teste. Mas as reações geradas por “Aves de Rapina” parecem apontar que o longa é uma dessas raridades. Rumores relacionados a espectadores das exibições fechadas começaram a circular nas redes sociais e em blogues geeks, e são todos muito elogiosos.

De acordo com esses comentários, de fontes não verificáveis, o único detalhe que talvez seja necessário mudar é a violência. E isso pode se tornar uma imposição da MPAA (a associação cinematográfica que determina a classificação etária dos filmes nos Estados Unidos), porque há supostamente cenas de excesso sanguinário na produção.

O editor do site geek Discussing Film, Jacob Fisher, foi ao Twitter expor as informações que recebeu, afirmando que o filme deve “testar os limites da classificação para maiores com muitos palavrões, violência e sangue”.

Vale lembrar que a classificação etária dos Estados Unidos não acaba em “R” (menores de 17 anos só podem assistir na companhia de adultos responsáveis), mas apenas filmes com cenas muitos fortes de sexo costumam receber o rótulo seguinte, NC-17 (expressamente proibido para menores de 18 anos).

Fisher também escreveu: “Ouvi que ‘Aves de Rapina’ é muito bom, muito melhor do que eu pensava. Todos os personagens são aparentemente muito bons (especialmente Ewan), parece que este filme vai ser um acerto para a WB.”

Ele não foi o único a se manifestar. Thomas Polito, do blogue geek Omega Underground, acreditou tanto em suas fontes que passou a elogiar o filme como se ele próprio fosse um dos “testers”, a ponto de comparar o longa com o clássico de Quentin Tarantino “Cães de Aluguel” (1992).

“’Aves de Rapina’ parece incrível! As pessoas vão adorar as protagonistas, e Máscara Negra será um dos melhores vilões da DC nos cinemas. Classificação ‘R’ está praticamente garantida. Esse filme me lembrou uma outra produção clássica, ‘Cães de Aluguel’. P.S.: A Warner realmente vai apostar em uma franquia de Arlequina.”



Para completar, KC Walsh, do Geeks World Wide, garantiu que Canário Negro terá seu tradicional Grito de Canário no filme.

A revista Vogue já tinha revelado que o orçamento de “Aves de Rapina” é relativamente barato, o que compensaria um lançamento com classificação “R”. As filmagens custaram US$ 75 milhões, só sendo superadas, entre os filmes de super-heróis da DC, pelos US$ 50 milhões do vindouro filme solo “indie” do Coringa.

O valor representa metade do custo de “Mulher-Maravilha” (US$ 150 milhões) e é US$ 100 milhões mais barato que “Esquadrão Suicida” (US$ 175 milhões). Além disso, seria preciso lançar uma uma quadrilogia (quatro filmes) de “Aves de Rapina” para chegar no orçamento de “Liga da Justiça” (US$ 300 milhões).

Escrito por Christina Hodson (“Bumblebee”), dirigido pela chinesa Cathy Yan (“Dead Pigs”) e com um longo título original em inglês, “Birds of Prey (And The Fantabulous Emancipation of One Harley Quinn)”, o filme vai juntar a Arlequina com o grupo de heroínas conhecido como Aves de Rapina.

Além da personagem vivida por Margot Robbie, as demais são Canário Negro (Jurnee Smollett-Bell, de “True Blood”), Caçadora (Mary Elizabeth Winstead, de “Rua Cloverfield, 10”), Cassandra Cain (Ella Jay Basco, da série “Teachers”) e Renee Montoya (Rosie Perez, de “O Conselheiro do Crime”).

Já a lista dos vilões destaca Máscara Negra (Ewan McGregor, de “Christopher Robin”) e Victor Zsasz (Chris Messina, de “The Mindy Project”).

Nenhum detalhe oficial da trama foi divulgado até o momento, mas especula-se (vazaram) que o ponto central seja um roubo de diamantes por parte de Cassandra Cain, e que o dono das jóias seria ninguém menos do que vilão Máscara Negra.

A estreia está prevista apenas para fevereiro de 2020.


Marcel Plasse é jornalista, participou da geração histórica da revista de música Bizz, editou as primeiras graphic novels lançadas no Brasil, criou a revista Set de cinema, foi crítico na Folha, Estadão e Valor Econômico, escreveu na Playboy, assinou colunas na Superinteressante e DVD News, produziu discos indies e é criador e editor do site Pipoca Moderna



Back to site top
Change privacy settings