Diretor de Bohemian Rhapsody pretende pagar para não responder por crime sexual



O diretor Bryan Singer, de “Bohemian Rhapsody” e da saga “X-Men”, aceitou pagar US$ 150 mil para se livrar das acusações de crime sexual contra um garoto de 17 anos em 2003.

Cesar Sanchez-Guzman entrou na justiça em dezembro de 2017 alegando que o cineasta o agrediu sexualmente durante uma festa em um iate em Seattle, obrigando-o a fazer sexo contra sua vontade.

O diretor negou a acusação de estupro, como já tinha feito anteriormente, e garantiu que o acordo é apenas para evitar mais custos de um caso que já arrasta a dois anos.

O advogado de Singer, Andrew Brettler, disse que o cineasta nega “até mesmo conhecer esse indivíduo, quanto mais alegadamente ter interagido com ele há mais de 15 anos”. Também lembrou que o acusador, até agora, não apresentou prova alguma de suas alegações. Mas que, apesar disso, o cineasta decidiu resolver a questão por um acordo financeiro, já que a situação está se prolongando e impactando sua carreira de forma negativa.

“A decisão de resolver a questão foi puramente comercial, já que os custos do litígio excederiam em muito o valor solicitado pelos credores”.

E é aí que entra um detalhe curioso. Ao entrar com sua queixa-crime, Cesar Sanchez-Guzman chamou atenção de credores, que não o processaram anteriormente por ele não ter bens para quitar dívidas de um pedido de falência registrado em 2014. Com o processo contra Singer, os credores entraram como parte interessada no resultado do acordo. E já aceitaram receber a quantia proposta.


Mas as peculiaridades deste caso não ficam nisso. O advogado de Cesar Sanchez-Guzman é Jeffrey Herman, o mesmo que representou outro jovem, Michael Egan, em um processo semelhante de 2014 contra Singer, o produtor de TV Garth Ancier e o executivo da Disney David Neuman.

Na ocasião, Egan também acusou Singer de estuprá-lo quando ele era menor, o que teria acontecido no Havaí. Mas a acusação tinha muitas inconsistências e ruiu quando o diretor conseguiu provar que, na data alegada, estava no Canadá filmando “X-Men”.

Além disso, Jeff Herman, advogado de Egan e agora de Sanchez-Guzman, já teve sua carteira da Ordem dos Advogados suspensa pela Suprema Corte do Estado da Flórida por agir de forma desonesta no exercício da profissão e tomar atitudes prejudiciais a um cliente.

Por conta do primeiro escândalo, Singer chegou a ser afastado da divulgação de “X-Men: Dias de um Futuro Esquecido”. Mas quando as acusações ruíram, ele voltou à franquia para dirigir “X-Men: Apocalipse”.

A boa vontade da Fox, porém, acabou após seu sumiço em plenas filmagens de “Bohemian Rhapsody”. O diretor alega que precisou se afastar para lidar com problemas de saúde de seus pais, e que o estúdio não teve sensibilidade para lhe dar alguns dias de folga.

A convergência do sumiço, da demissão, da acusação de Cesar Sanchez-Guzman e ainda de uma reportagem com quatro novas acusações de sexo com menores de idade, publicada pela revista The Atlantic, de Boston, pode ser mais que coincidência e servir para alimentar teorias por trás do afastamento de Singer do comando de “Bohemian Rhapsody”.



Pedro Prado é cinéfilo, fã de séries e quadrinhos, fotógrafo amador e bom amigo da vizinhança.



Back to site top
Change privacy settings