Zumbis abrem Festival de Cannes de baixas expectativas


Não deixa de ser sintomático que o Festival de Cannes tenha sido aberto na noite de quarta (14/5) por zumbis, após barrar a Netflix e seus filmes de prestígio, dignos de Oscar, como se viu em relação a “Roma” – vencedor do Festival de Veneza.

“Os Mortos Não Morrem’ (The Dead Don’t Die), de Jim Jarmusch, é um filme assumidamente trash, que concorre à Palma de Ouro com Iggy Pop no papel de zumbi e um elenco repleto de estrelas – Adam Driver, Tilda Swinton, Bill Murray, Chloë Sevigny, Steve Buscemi, Selena Gomez, Tom Waits e outros que, pelo menos, dão ao tapete vermelho do festival a ilusão de glamour hollywoodiano.

A trama não se preocupa com lógica, os personagens são clichês e Jarmusch ainda assumiu, em entrevista coletiva no evento, ter se inspirado em George A. Romero, o criador dos zumbis modernos, cujos filmes originais jamais foram tratados com a mesma reverência por Cannes. Por sinal, que entrevista coletiva desanimada!

A crítica ficou dividida. “Como é um filme de zumbi de Jim Jarmusch? Exatamente como você esperaria: uma comédia de mortos-vivos irônica e hipster que visualiza o apocalipse de forma blasé e autoconsciente. ‘Os Mortos Não Morrem’ quer ser uma comédia macabra de ponta, mas a verdade é que está atrás da curva da cultura pop. Por isso é tão decepcionante”, tascou a revista Variety.



Agora, a imprensa torce para não se decepcionar com “Dor e Glória”, de Pedro Almodóvar, “Sorry We Missed You”, do britânico Ken Loach, e “A Hidden Life”, de Terrence Malick.

A lista inclui ainda “Frankie”, de Ira Sachs, “Le Jeune Ahmed”, dos irmãos Dardenne, “Matthias and Maxime”, de Xavier Dolan, “Oh Mercy”, de Arnaud Desplechin, “O Traidor”, coprodução brasileira dirigida pelo italiano Marco Bellocchio.

São filmes de cineastas óbvios, que estão sempre em Cannes, como se sua inclusão fosse obrigatória ou resultado de piloto automático. O flerte com o tédio só é interrompido pela expectativa da première de “Era uma Vez em Hollywood”, o novo lançamento de Quentin Tarantino. Uma inclusão de última hora. E pela perspectiva embutida nas premières de “Bacurau”, de Kleber Mendonça Filho e Juliano Dornelles, “Parasite”, de Bong Joon-ho, “Portrait de la Jeune Fille en Feu”, de Céline Sciamma, e “It Must Be Heaven”, de Elia Suleiman, representantes da nova geração.

Cannes encontra-se numa encruzilhada em sua cruzada contra o streaming, mas não se deve descartar a possibilidade de surpresas. Se parece haver poucas novidades sob o sol da Riviera Francesa, o escuro do cinema sempre pode reverter as baixas expectativas inauguradas por zumbis que fazem rir.



Chris Thomas é uma eterna estudante de cinema com algumas pós-graduações e radicada em Paris há uma década.



Back to site top
Change privacy settings