Disney confirma que Fênix Negra encerra a franquia dos X-Men



A trajetória cinematográfica dos X-Men, inciada em 2000, vai chegar ao fim com o lançamento de “X-Men: Fênix Negra”. A confirmação foi feita pelo presidente do Walt Disney Studios, Alan Horn, durante participação na CinemaCon, convenção das redes exibidoras de cinema dos EUA, que acontece em Las Vegas.

Horn afirmou que “A Fênix Negra” será “a despedida perfeita para a nossa equipe de X-Men” e o “capítulo final” para os X-Men no cinema. Nas entrelinhas também estão “despedidos” os produtores que trabalhavam com os heróis.

O filme já estava pronto quando a Disney finalizou a compra da Fox, que produziu todos os lançamentos da saga.

Após a aquisição, os personagens foram incorporados ao Marvel Studios, que deve realizar um reboot da franquia.



A despedida volta a adaptar “A Saga da Fênix Negra”, ponto alto da parceria entre Chris Claremont e John Byrne nos quadrinhos, que já foi abordada no péssimo “X-Men: O Confronto Final” (2006), tão ruim que quase acabou com a franquia – a ponto de os X-Men passarem por seu primeiro reboot após aquele lançamento.

A trama acompanha a transformação da heroína Jean Grey na vilã Fênix Negra e voltará a reunir o elenco de “X-Men: Apocalipse” (2016): Jennifer Lawrence (Mística), Michael Fassbender (Magneto), James McAvoy (Professor Xavier), Nicholas Hoult (Fera), Evan Peters (Mercúrio), Alexandra Shipp (Tempestade), Tye Sheridan (Cíclope), Kodi Smit-McPhee (Noturno) e, claro, Sophie Turner (Jean Grey/Fênix).

Para completar, Simon Kinberg, que foi o responsável pelo roteiro de “X-Men: O Confronto Final”, volta para assinar a nova versão da mesma história e ainda faz sua estreia como diretor no filme. Em entrevistas, ele justificou o remake com a desculpa de fazer justiça aos quadrinhos. Os fãs podem discordar e desta vez não haverá um “Dias de um Futuro Esquecido” para consertar.

A estreia é prevista para 6 de junho no Brasil, um dia antes dos Estados Unidos.



Marcel Plasse é jornalista, participou da geração histórica da revista de música Bizz, editou as primeiras graphic novels lançadas no Brasil, criou a revista Set de cinema, foi crítico na Folha, Estadão e Valor Econômico, escreveu na Playboy, assinou colunas na Superinteressante e DVD News, produziu discos indies e é criador e editor do site Pipoca Moderna



Back to site top
Change privacy settings