Criadores de Stranger Things vão a julgamento em processo por plágio


Os criadores de “Stranger Things”, os irmãos Matt e Ross Duffer, vão a julgamento após o Tribunal Superior de Los Angeles aceitar uma acusação de plágio movida por Charlie Kessler, diretor do curta-metragem “Montauk” (2011), sobre um caso de desaparecimento em uma pequena cidade com uma base militar misteriosa – tal como Hawkins, cenário da série da Netflix.

Segundo a acusação, a trama foi plagiada após uma conversa entre Kessler e os irmãos Duffer no Festival de Cinema de Tribeca em 2014, na qual o roteirista apresentou sua ideia de ampliar o universo do curta para uma série de televisão.

Na sua argumentação, Kessler afirma que, quando foi vendida para a Netflix, “Stranger Things” tinha como título provisório “The Montauk Project”.

Ele exige uma indenização financeira.

Para o juiz Michael Stern, responsável por dar prosseguimento ao processo, faltam maiores evidências para comprovar o caso. Mas, em vez de arquivá-lo, decidiu convocar Kessler a comprovar sua causa diante de um juri. “Sem essas evidências admissíveis, ficamos com o problema de determinar a credibilidade, que deve ser decidida pelo juri”, escreveu na decisão.

Os irmãos Duffer negam a acusação, afirmando que o interesse por lendas urbanas e teorias de conspiração é antigo e que o projeto de “Stranger Things” nasceu em 2010 – quatro anos antes do encontro.



“Aquela conversa casual – durante a qual os Duffers supostamente disseram que todos deveriam trabalhar juntos e perguntaram no que [Charlie Kessler] estava trabalhando – é a única base para o suposto contrato implícito em questão neste processo e para a teoria sem mérito de Kessler”, rebateram os advogados da defesa.

A Netflix também mostrou apoio aos criadores. “Os irmãos Duffer têm nosso total apoio. Esse caso não tem mérito, o que esperamos que seja confirmado com uma averiguação dos fatos no tribunal”, disse a porta-voz da empresa.

Vale observar que as obras são bastante diferentes entre si. “Montauk” falava de criaturas que apareceram na praia do título e era todo registrado ao estilo dos filmes de terror de “found footage”, com trechos de reportagem e outra fontes de vídeo compiladas para contar sua história.

O curta podia ser assistido na íntegra no portal Vimeo até o ano passado, mas após a notícia do processo se tornar pública, ele se tornou “indisponível”.

Veja um trecho abaixo.


Marcel Plasse é jornalista, participou da geração histórica da revista de música Bizz, editou as primeiras graphic novels lançadas no Brasil, criou a revista Set de cinema, foi crítico na Folha, Estadão e Valor Econômico, escreveu na Playboy, assinou colunas na Superinteressante e DVD News, produziu discos indies e é criador e editor do site Pipoca Moderna



Back to site top
Change privacy settings