Atriz de Smallville se declara culpada por sua participação em seita sexual


A ex-atriz Allison Mack, conhecida pelo papel de Chloe Sullivan na série “Smallville”, mudou sua declaração sobre sua participação no grupo NXIVM e na seita DOS. Após se declarar inicialmente inocente de promover escravidão sexual e tráfico de mulheres, ela se assumiu culpada de extorsão e conspiração criminosa, ao comparecer novamente ao tribunal nesta segunda (8/4), em Nova York.

A mudança pode fazer parte de um acordo entre os seus advogados e os promotores que cuidam do caso. A atriz pode ter concordado com uma admissão de culpa para suavizar as acusações e se tornar testemunha do Estado contra o líder da seita, Keith Raniere.

Ela foi a única ré do caso a se dizer culpada. Raniere, a herdeira milionária Clare Bronfman e outra integrante do círculo interno da seita, Kathy Russell, declaram-se inocentes.

“Eu preciso admitir a culpa pela minha conduta. Eu me sinto muito mal pelo meu papel neste caso. Eu peço desculpas à minha família e às boas pessoas que eu machuquei com a minha aderência equivocada aos ensinamentos de Keith Raniere”, disse Mack no tribunal.

Ela chorou durante a audiência, dizendo que acreditava que “a intensão de Raniere era ajudar as pessoas”. “Eu estava errada”, assumiu.

A sentença será proferida em 11 de setembro.

Mack é acusada de recrutar várias mulheres para a seita, prometendo que se tratava de um programa de aperfeiçoamento pessoal onde elas seriam ajudadas por outras mulheres a alcançarem os seus objetivos.

Conforme as recrutadas passavam pelos diferentes níveis da organização, acabavam se transformando em escravas sexuais, submetidas à liderança de Raniere.



Mack foi presa em conexão com o caso, assim como o próprio Raniere. A atriz pagou fiança de US$ 5 milhões e espera julgamento em prisão domiciliar na casa dos pais, em Los Alamitos, na Califórnia (EUA).

Este escândalo veio à tona quando uma reportagem do jornal The New York Times, publicada em novembro de 2017, denunciou a escravidão sexual promovida pela seita e apontou a atriz como braço-direito do falso guru Rainiere.

Iniciada como um grupo de auto-ajuda, a organização chegou a receber matrículas de 16 mil pessoas nos cursos do grupo NXIVM. Ranieri se promovia como um guru de auto-ajuda para famosos, mas usava palestras da organização para selecionar mulheres bonitas como escravas sexuais, que eram convidadas a ingressar no círculo interno, chamado de DOS (abreviatura de “dominus obsequious sororium”), onde a iniciação incluía ter as iniciais de Ranieri marcadas à ferro e fogo na pele.

A estrutura da seita se baseava em um esquema-pirâmide. Além de pagar o curso inicial, as participantes eram obrigadas a comprar aulas adicionais com preço ainda mais elevado e motivadas a recrutar outras mulheres e a marcá-las com suas iniciais para “subir” dentro da hierarquia da organização e assim obter privilégios, como se aproveitar das demais escravas.

Havia uma condição prévia para participar: ceder informações comprometedoras sobre amigos e familiares, tirar fotos sem roupas e controlar os pertences das recrutas captadas.

Nesta sociedade secreta, Raniere era o único homem, conhecido como o “Amo das companheiras obedientes”. Ele era “dono” de um harém. E as escravas dele, por sua vez, tinham um grupo de servas para si, e assim por diante. Todas as escravas precisavam obedecer aos mestres 24 horas por dia e recrutar outras mulheres para a seita. Caso não conseguissem, eram submetidas a castigos como surras.

Além disso, elas tinham que tomar banhos de água fria e ficar 12 horas sem comer, mantendo uma dieta diária de apenas 500 a 800 calorias, pois, segundo o “mestre supremo”, mulheres magras eram mais vigorosas.

Esta história bizarra deve virar série, após a produtora Annapurna fechar um acordo com o jornalista Barry Meier, autora da reportagem-denúncia publicada no New York Times, para produzir uma adaptação televisiva de suas descobertas.



Marcel Plasse é jornalista, participou da geração histórica da revista de música Bizz, editou as primeiras graphic novels lançadas no Brasil, criou a revista Set de cinema, foi crítico na Folha, Estadão e Valor Econômico, escreveu na Playboy, assinou colunas na Superinteressante e DVD News, produziu discos indies e é criador e editor do site Pipoca Moderna



Back to site top
Change privacy settings