Felicity Huffman se declara culpada em escândalo de fraude universitária nos EUA


Felicity Huffman se declarou culpada nesta segunda-feira (8/4), de pagar subornos para conseguir a admissão de seus filhos em universidades prestigiosas dos Estados Unidos.

“Eu estou me declarando culpado pela acusação feita contra mim pelo Ministério Público dos Estados Unidos”, disse a atriz das séries “Desperate Housewives” e “American Crime” numa declaração pública. “Aceito plenamente a minha culpa e, com profundo pesar e vergonha pelo que fiz, total responsabilidade por minhas ações e as conseqüências que resultarem dessas ações”, acrescentou, em um longo pedido de desculpas.

A atriz de 56 anos assumiu ter pago US$ 15 mil para que sua filha mais velha tivesse suas notas alteradas para no SAT – o ENEM americano – e com a qualificação falsa conseguisse entrar em faculdades melhores.

“Minha filha não sabia absolutamente nada sobre minhas ações e, do meu jeito equivocado e profundamente errado, eu a traí”, continuou Huffman. “Essa transgressão em relação a ela e ao público levarei para o resto da minha vida. Meu desejo de ajudar minha filha não é desculpa para quebrar a lei ou me envolver em desonestidade”.

A Justiça não denunciou o marido de Huffman, o ator William H. Macy, estrela da série “Shameless”, no escândalo das admissões universitárias.


Huffman pode ser condenada a até cinco anos de prisão pelo crime de transferência fraudulenta de fundos, mas a expectativa é que a justiça não lhe imporá uma sentença tão dura.

Além dela, outra atriz famosa, Lori Loughlin, conhecida por seu papel na série “Três É Demais” (Full House) e na sequência “Fuller House”, também foi acusada no mesmo caso, mas não se uniu a Huffman e outros pais que se declararam culpados nesta segunda-feira.

As duas atrizes eram as personalidades mais conhecidas de um grupo de 50 pessoas denunciadas na Operação Varsity Blues do FBI, que desbaratou um esquema de fraudes para que filhos de pessoas ricas pudessem entrar com mais facilidade em universidades de elite nos Estados Unidos. Entre os pais envolvidos há diretores executivos de empresas e sócios de importantes escritórios de advocacia. Todos foram detidos e liberados sob fiança para aguardar o julgamento do processo em liberdade.

O líder do esquema fraudulento, William Rick Singer, concordou em se declarar culpado de acusações de fraude e está cooperando com as autoridades.

Segundo as autoridades, Singer cobrou cerca de US$ 25 milhões para garantir as admissões às universidades por meio de trapaças nas provas ou subornos a treinadores para recrutar estudantes sem habilidades para equipes esportivas das escolas – atletas têm vagas preferenciais nas faculdades dos EUA por conta da competitividade dos jogos universitários.



Pedro Prado é cinéfilo, fã de séries e quadrinhos, fotógrafo amador e bom amigo da vizinhança.



Back to site top
Change privacy settings