Nada a Perder foi responsável por metade da bilheteria do cinema brasileiro em 2018


Em 2018, o cinema brasileiro vendeu 29,9% mais ingressos que o ano anterior, segundo relatório do site Filme B, dedicado ao mercado cinematográfico nacional.

Mas a taxa deixa de ser animadora quando se revela que foi impulsionada por um único filme: “Nada a Perder”, a cinebiografia do bispo Edir Macedo, acusada de ser exibida para salas vazias de cinema. Enquanto a Igreja Universal negou ter comprado e distribuído tíquetes entre fiéis, exibidoras confirmaram ter vendido pacotes para pastores.

O fato é que o longa religioso dirigido por Alexandre Avancini vendeu 12M (milhões) de ingressos e se tornou a maior bilheteria do cinema nacional em todos os tempos. E esse número equivale à metade do total de espectadores dos filmes brasileiros em 2018.

Ao todo, 24M de ingressos de filmes nacionais foram vendidos no ano passado. Sem “Nada a Perder”, o número desaba para 12M.



Apenas mais quatro filmes tiveram mais de 1 milhão de espectadores em 2018: “Os Farofeiros” (2,6M), “Fala Sério, Mãe!” (2,4M) e “Tudo por um Popstar” (1,2M). Os três lançamentos são comédias, mas dois são voltados especificamente ao público juvenil, com protagonistas adolescentes.

Outro detalhe: as quatro maiores bilheterias de 2018 foram distribuídas por Downtown e Paris Filmes, responsáveis pelos maiores lançamentos nacionais. Ainda segundo o Filme B, a dobradinha concentrou nada menos que 90,4% da renda gerada por ingressos de filmes brasileiros.

E a tendência deve continuar. Lançados no fim de dezembro, a comédia “Minha Vida em Marte” e o infantil “Detetives do Prédio Azul 2 — O Mistério Italiano”, ambos da Downtown/Filmes, lideram as bilheterias de filmes nacional no início de 2019. Ambos já venderam mais de 1 milhão de ingressos.



Marcel Plasse é jornalista, participou da geração histórica da revista de música Bizz, editou as primeiras graphic novels lançadas no Brasil, criou a revista Set de cinema, foi crítico na Folha, Estadão e Valor Econômico, escreveu na Playboy, assinou colunas na Superinteressante e DVD News, produziu discos indies e é criador e editor do site Pipoca Moderna



Back to site top
Change privacy settings