Alfonso Cuarón chama cinemas de elitizados e defende a Netflix nos bastidores do Globo de Ouro



Duplamente vencedor do Globo de Ouro 2019 por “Roma”, o diretor Alfonso Cuarón fez uma defesa apaixonada da Netflix nos bastidores da premiação, ao responder perguntas da imprensa.

O tom subiu quando um jornalista alegou que alguns distribuidores independentes caracterizaram o destaque de “Roma” na atual temporada de premiações como prejudicial para a indústria, porque sinalizaria que filmes não precisam ser lançados no cinema para serem considerados para o Globo de Ouro ou o Oscar.

“Eu acho que é injusto dizer isso”, protestou o cineasta.

“Eu te faço outra pergunta: Quantos cinemas você acha que exibiriam um filme mexicano em preto e branco, falando em espanhol e dialeto, que é um drama sem nenhuma estrela no elenco?”, retrucou.



“Meu filme ganhou um lançamento muito maior do que ganharia de outra forma”, continuou. “Por que você não pega a lista de filmes estrangeiros indicados, e compara o lançamento que eles tiveram com o meu?”, disse Cuarón, que lembrou que a Netflix lançou “Roma” nos cinemas americanos e em alguns outros países, ainda que em um número reduzido de salas e por período limitado.

“Precisamos ter consciência que a experiência de ir ao cinema se tornou muito elitizada”, contra-atacou Cuarón. “É claro que você tem muitos cineastas correndo para as plataformas de streaming, porque elas não têm medo de fazer os filmes que eles querem fazer”, completou.

“Roma” venceu o Globo de Ouro de Melhor Filme Estrangeiro e o de Melhor Direção.


Marcel Plasse é jornalista, participou da geração histórica da revista de música Bizz, editou as primeiras graphic novels lançadas no Brasil, criou a revista Set de cinema, foi crítico na Folha, Estadão e Valor Econômico, escreveu na Playboy, assinou colunas na Superinteressante e DVD News, produziu discos indies e é criador e editor do site Pipoca Moderna



Back to site top
Change privacy settings