Globoplay promete ter tantas séries quanto a Netflix até o fim de 2019



A Netflix investiu cerca de US$ 15 bilhões em conteúdo em 2018, mas João Mesquita, diretor-geral da Globoplay, acha que pode competir nesse mercado.

“Posso garantir o seguinte: no final do ano que vem, nós teremos tantos assets [jargão de marketing para produções] quanto tem a maior das plataformas que opera no mercado brasileiro”, ele disse num encontro com jornalista nesta terça-feira (4/12).

Mas não dá para levar a sério a bravata. A Globoplay tem atualmente umas 20 séries internacionais em seu catálogo e pouquíssimos produtos originais, como “Ilha de Ferro” e “Assédio”. A Netflix, por sua vez, está produzindo mais séries originais brasileiras que a rival nacional. E conta com cerca de 800 séries e 100 filmes exclusivos, sem esquecer que licencia produções dos grandes estúdios de Hollywood e de produtoras de todo o mundo.

De todo modo, a Globoplay demonstra vontade de lutar pelo mercado de streaming e revelou que fará um investimento pesado em séries internacionais.

Até o fim do ano que vem, 100 produções devem estrear em sua programação.

Muitas devem ser clássicas, como “Mad About You”, “House” e “Dawson’s Creek”, atualmente disponibilizadas pelo serviço. Mas parte delas será inédita no Brasil, com exibição exclusiva na plataforma. A ideia é transformar a Globoplay na “primeira janela de exibição”, à frente da TV aberta, dos canais pagos e de outros serviços do grupo Globo.

Os nomes das séries estrangeiras que entrarão na Globoplay ainda estão sendo mantidas em segredo.


A primeira grande estreia internacional da plataforma foi “The Good Doctor”, em agosto. A série que traz Freddie Highmore como um médico autista teve os dois primeiros episódios exibidos no “Tela Quente”, da Globo, e nos quatro dias seguintes o site registrou oito vezes mais assinaturas. “Sozinhos, esses dias tiveram melhor desempenho do que o melhor mês da nossa história”, declarou Mesquita.

Quatro meses depois, “The Good Doctor” ainda é uma das produções mais vistas do serviço, ao lado da novela “O Sétimo Guardião” e da série “Ilha de Ferro”, estrelada por Cauã Reymond – que também teve seu primeiro episódio exibido na TV aberta.

Outras séries inéditas da Globoplay são a premiada “Killing Eve” e o remake de “Charmed”.

Além da Netflix, o consumidor brasileiro já tem acesso a vários outros serviços de streaming que operam no país, como Amazon Prime Video, Crackle, HBO Go, Fox Play e Crunchyroll. Nesta terça, o presidente da Hulu revelou que o serviço tem planos de expansão internacional, provavelmente acompanhando o lançamento do serviço Disney+. Warner Media e Apple também preparam seus projetos para 2019.

Mas Mesquita acredita na força da Globo para enfrentar os rivais bilionários.

“Pelo que a gente vê lá fora, é que tipicamente há lugar para dois ou três serviços principais, e depois as pessoas complementam. É muito óbvio, pela dinâmica e pela força que a marca Globo tem entre os brasileiros, que nós seremos um desses pilares”.



Pedro Prado é cinéfilo, fã de séries e quadrinhos, fotógrafo amador e bom amigo da vizinhança.



Back to site top
Change privacy settings